SRZD


01/06/2010 09h07

Policiais militares são suspeitos de integrarem grupo de extermínio em SP
Redação SRZD

Pelo menos cinco policiais militares são apontados por uma investigação da Polícia Civil como suspeitos de integrarem um grupo de extermínio que atua em cinco bairros da Zona Leste de São Paulo. De acordo com uma reportagem publicada na edição desta terça-feira do jornal "Folha de São Paulo", os agentes de segurança são lotados no 21º Batalhão da PM e podem ter cometido 23 assassinatos nos seguintes bairros: Parque São Lucas, Vila Diva, Tatuapé, Vila Alpina e Vila Formosa.

Na semana passada, a Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo disse ao jornal que os casos de PMs envolvidos com grupos de extermínio são "casos pontuais de conduta individual, e não de conduta institucional".

Desde o início do ano, vários casos de violência policial na capital paulista vem chamando a atenção da opinião pública. No mês passado, agentes de dois batalhões foram acusados de torturar até a morte dois motoboys em circunstâncias obscuras.


Veja mais sobre:São Paulo

Comentários
  • Avatar
    13/07/2010 00:23:42TalibãAnônimo

    continuação: Tudo leva a crer que sejam policiais os autores dos crimes?, analisa o procurador. O grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo divulgou nota de protesto contra o ?crescente número de execuções sumárias ocorridas nos últimos dias na Baixada Santista, nas cidades de Santos, São Vicente, Praia Grande e Guarujá?. A nota afirma que ?a exemplo dos Crimes de Maio de 2006, quando a Baixada Santista viu a barbárie de perto, nova onda de assassinatos volta a ocorrer neste mês de abril em que mais de 20 pessoas ? na quase totalidade jovens ? foram mortas com sinais de execução?. O Tortura Nunca Mais reclama providências imediatas das autoridades, com abertura de inquéritos e identificação dos criminosos, e diz que ?desde 2006 vários processos sobre crimes com as mesmas características estão sendo arquivados por ?falta de provas? ou ?resistência seguida de morte?. A entidade exige ?o desarquivamento desses casos e a punição dos criminosos de 2006 e de 2010?. Fonte: Brasilia Confidencial - BLOG DA DILMA

  • Avatar
    13/07/2010 00:21:49TalibãAnônimo

    terça-feira, 27 de abril de 2010 -Procurador denuncia ?grave omissão? do Governo Goldman sobre matança no litoral O procurador do Estado, Antonio Mafezzoli, acusou ontem o Governo Alberto Goldman (PSDB) de se omitir na investigação sobre a matança de jovens na Baixada Santista. Desde o início da semana passada, 23 pessoas, a maioria delas jovens e sem antecedentes criminais, foram assassinadas em cidades do litoral paulista e outras 12 foram feridas a bala. Segundo o procurador, a mortandade no litoral faz lembrar episódios ocorridos em maio de 2006, quando nove pessoas foram mortas em represália da polícia a ataques da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). ?A violência atingiu de novo um grau desproporcional, sem que a polícia tomasse qualquer providência para apurar a autoria dos crimes. O serviço de inteligência da Polícia Civil já deveria estar levantando a identidade dos autores, que não podem ficar impunes?, reclamou Mafezzoli. De acordo com o procurador, a polícia paulista está agindo como se os assassinatos praticados em diferentes cidades da Baixada Santista não estivessem interrelacionados. ?Boa parte desses crimes foi praticada por ninjas encapuzados, utilizando motos e armamentos de alto calibre, que decidem fazer justiça com as próprias mãos, assassinando jovens inocentes, que nem tinham passagens pela polícia. Há uma grave omissão do Estado, complacente com este tipo de procedimento?. Mafezzoli acredita que a impunidade dos autores dos assassinatos de jovens em 2006 incentivou o reaparecimento de uma espécie de grupo de extermínio. ?Nem exames de balística foram realizados pelo Instituto de Criminalística. A maneira de agir destes grupos é semelhante agora à de 2006. Sempre que há morte de algum policial, se realiza uma espécie de vingança contra jovens negros e pobres da periferia das cidades da Baixada Santista, como se assim se desse o exemplo, Tudo leva a crer que sejam polici

  • Avatar
    13/07/2010 00:16:18Olho VivoAnônimo

    Mais 18 PMs são presos por mortes na Baixada Santista.Vocês lembram da matança nas cidades da Baixada Santista? A Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo prendeu, ao longo do fim de semana, mais 18 policiais que estariam envolvidos em uma série de ASSASSINATOS ocorridos na Baixada Santista em abril. Com isso, o número de PMs presos sob suspeita de integrar a um GRUPO DE EXTERMÍNIO conhecido como ?Ninjas da PM? chega a 23 homens. As prisões começaram na quarta-feira e devem continuar ao longo da semana, conforme as investigações descobrirem novos suspeitos. Todos foram levados do quartel no LITORAL para a corregedoria na capital e estão em regime de prisão administrativa de cinco dias. Caso haja evidências da participação dos policiais nas 23 mortes que ocorreram entre 18 e 23 de abril, a corregedoria pode pedir a prisão preventiva dos acusados. [Baixada Santista/Guarujá]: Mídia oficial confirma denúncias feitas no CMI Por guarujaense 08/07/2010 às 00:41 Quem viu pelo CMI ficou sabendo antes o verdadeiro porquê da onda de extermínio de abril/maio. Denúncia original em midiaindependente.org/pt/blue/2010/04/47 0231.shtml

  • Avatar
    04/06/2010 17:33:49Cidadão JustoAnônimo

    POLICIAIS PERTENCENTES A GRUPO DE EXTERMÍNIO Jornal Expresso Popular de 04 jun 2010 04/06/2010 13:57 IRMÃO DE PM EXECUTADO ESTÁ ENTRE OS PRESOS FORAM DETIDOS 5 POLICIAIS, UM DO GUARUJÁ, 2 DE CUBATÃO, 1 DE DIADEMA e OUTRO DE SÃO BERNARDO Um dos cinco policiais militares presos pela CORREGEDORIA da PM na madrugada de ontem, de acordo com a fonte da corporação, é IRMÃO DO POLICIAL DA FORÇA TÁTICA PAULO RAPHAEL FERREIRA PIRES, fuzilado no dia 18 de abril, em Vicente de Carvalho, Guarujá. A execução do policial desencadeou uma onda de violência que só acabou (08)oito dias depois, com mais de 22 mortos. Os policiais DETIDOS são acusados de integrar GRUPO DE EXTERMÍNIO que impetrou o REVIDE à morte do PM. O irmão do soldado PAULO RAFHAEL, também PM que atua no Guarujá, pertence ao 21° Batalhão, assim como outros DOIS POLICIAIS DETIDOS, que atuam na 4ª Companhia de Cubatão. Os outros dois estão lotados no 24° Batalhão de Diadema e 40° Batalhão de São Bernardo do Campo. Fontes da Polícia Civil afirmam que o irmão de PAULO RAPHAEL PROMETEU INICIAR UMA MATANÇA PARA VINGAR O SOLDADO EXECUTADO. Por isso, passou a ser observado logo depois do dia 18 de abril. Os irmãos são considerados POLICIAIS LINHA DURA. Tanto que PAULO RAPHAEL particupou de "incursões" na Vila Baiana, em Guarujá, atrás do CADÁVER do irmão de um PM da Capital, morto pelo PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL (PCC) por ter sido IDENTIFICADO POR VÍTIMAS COMO ESTUPRADOR. Na ocasião, ele e os outros NINJAS bateram no IRMÃO DE EDUARDO RODRIGUES DO NASCIMENTO, Eduardinho, preso como o MANDANTE DA MORTE DO PM. CINCO DIAS Os cinco policiais ficam presos, disciplinarmente, durante cinco dias para que diligencias sejam feitas. O período pode ser prorrogado e caso a PARTICIPAÇÂO SEJA COMPROVADA, pode ser pedido PRISÃO PREVENTIVA ou TEMPORÁRIA. De acordo com o porta-voz da CORREGEDORIA, MARCELO NAGY, essa é uma prisão com caráter administr

  • Avatar
    04/06/2010 17:30:52Cidadão JustoAnônimo

    NINJAS Nos bastidores da MATANÇA, a vingança e seus códigos velados, não escritos. LONGE DA FARDA, POLICIAIS AGIRAM NA TOUCA, SENDO CHAMADOS DE NINJAS, para vingar a morte do irmão de um PM, ACUSADO DE ESTUPRO e EXECUTADO PELO PCC. O policial PAULO RAFHAEL seria um deles. Quando os NINJAS, organizados em GRUPOS DE EXTERMÍNIO, mataram Alexandre, irmão de Natal e primo de Eduardinho, comparsas no COMANDO DO PCC na Vila Baiana, Guarujá, foi a vez de PAULO RAPHAEL ser morto. A PROMESSA era de que 50 MORRERIAM. Foram 22. Daí por diante a história é de DOMÍNIO PÚBLICO e TRÁGICA. As investigações da Polícia Civil e da Corregedoria ainda estão apenas no começo. EMPRESA DE SEGURANÇA FOI A PRINCIPAL PISTA Um ex-policial que admite atuar em GRUPOS DE EXTERMÍNIO apontou, em entrevista ao JORNAL A TRIBUNA, a participação de empresas de segurança nas ações dos chamados NINJAS. Essa foi a base da investigação. A descoberta de uma EMPRESA formada por POLICIAIS MILITARES serviu como estopim para a prisão dos CINCO PMS. A empresa era utilizada para impedir roubos em comércio de Vicente de Carvalho e Santos. De acordo com a Corregedoria da PM, policiais se juntaram para formar o "GRUPO DA MORTE". O objetivo era ASSASSINAR assaltantes e EX-detentos. Outros indícios apontam para a participação de EX-membros das FORÇAS ARMADAS. Junto com os cinco policiais, três civis foram presos. E foi um deles que teria DENUNCIADO TODO O ESQUEMA, inclusive a participação dos PMs nas AÇÕES DE EXTERMÍNIO. em Plantão Policial - pagina 13 do Jornal Expresso Popular de 04/06/2010 Na íntegra no site: CMI Brasil

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.