SRZD


03/11/2010 08h39

Dilma fala sobre reajuste do salário mínimo e taxa de juros no 'SBT'
Redação SRZD

Em entrevista concedida nesta última terça-feira ao "SBT", a presidente eleita Dilma Rousseff destacou temas que serão muito observados em seu futuro governo, como reajuste salarial e taxa de juros. Questionado pelo jornalista Carlos Nascimento sobre possíveis medidas finais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no setor econômico, ela afirmou que não acredita em algo maior que o necessário.

"Só vou querer coisas necessárias. Não acredito que o presidente vá tomar medidas duras. Não acho que vá ter 'saco de maldades', o que precisamos é votar o orçamento", declarou.

Sobre as reivindicações das centrais sindicais a respeito do salário mínimo, Dilma respondeu as conversas vão ser iniciadas ainda este ano justamente por causa do orçamento para o ano que vem:

"Nós vamos chamar as centrais para a discussão ainda no governo Lula. Eles estão propondo isso, é um projeto de discussão que vai ser aberto".

Ela negou que exista um princípio de desentendimentos entre PT e PMDB na transição de governo, mas alertou que sua exigência primeira para a ocupação de cargos é o perfil técnico:

"Nós não começamos a montar ministério, a ciumeira não é procedente e não chegou a mim nenhuma reclamação. Vou exigir capacidade técnica, mas levo em conta a capacidade de liderança política. E levo em conta um currículo compatível com o cargo".

A presidente eleita preferiu não antecipar novidades sobre a transição de poder, mas expôs sua vontade de criar um ministério especial para as pequenas e médias empresas: "Ainda não me debrucei sobre a questão. Mas o número de ministérios tende a ficar no mesmo".

No fim, Dilma Rousseff falou sobre o índice da taxa básica de juros, assunto muito criticado durante o Governo Lula:

"Acredito que o Brasil tem todas as condições de reduzir o endividamento do país em relação com aquilo que ela produz. Não há razão técnica para não convergir as taxas de juro brasileiras com as internacionais".

 


Veja mais sobre:Dilma Rousseff

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.