SRZD


11/10/2010 10h23

Walcyr Carrasco lança três livros infantojuvenis que falam sobre diferenças e preconceitos
André Bernardo

Walcyr Rodrigues Carrasco, 58 anos, é um escritor incansável. Desses que não para de escrever peças ou livros nem mesmo quando está com novela no ar. Autor de tramas de sucesso, como "Alma Gêmea", "O Cravo e a Rosa" e "Sete Pecados", atualmente no "Vale a Pena Ver de Novo", ele também é autor de livros infantojuvenis. Desde que lançou "Quando Meu Irmãozinho Nasceu" em 1980, não parou mais. De lá para cá, já são 35 livros publicados, que totalizam quase 5 milhões de exemplares vendidos. Os mais recentes deles, "Ararinha do Bico Torto", "Pituxa, a Viralata" e "Meus Dois Pais", todos da Editora Ática, falam sobre os mais variados tipos de preconceito. Na véspera do Dia das Crianças, Walcyr Carrasco fala da importância de escrever "sobre" e "para" elas e avisa que seu próximo livro discutirá a padronização da beleza, através da história de uma garotinha gorda. "Como escritor, me orgulho de observar a realidade e procurar transformá-la de forma positiva", afirma.

André Bernardo - Qual é a maior dificuldade de escrever para crianças?
Walcyr Carrasco - Antes de mais nada, faço questão de oferecer a informação exata, precisa. Como muitos de meus livros abordam temas polêmicos, como drogas e deficiência física, por exemplo, uso minha formação como jornalista para entrevistar pessoas envolvidas com a questão, profissionais de saúde. Não se pode cometer erros! Também me preocupo em usar uma linguagem acessível e abordar os temas mais difíceis com respeito e delicadeza.

AB - Você calcula quantos livros já vendeu? E qual deles seria o recordista de vendas?
WC - Imagino que já esteja na casa dos 4 para 5 milhões de exemplares. Não fico fazendo contas, mas meu livro "Vida de Droga", da Editora Ática, vende sem parar. Talvez seja porque mostre o universo dos adolescentes drogados e se torne uma ferramenta muito útil para os pais e professores abordarem o problema. 

AB - Qual é o lado bom e ruim de ser escritor no Brasil?
WC - Adoro ser escritor profissional. Amo escrever novelas! Há uma tensão no ar enquanto estou escrevendo. O tempo todo fico ligado na história. Mas, ao mesmo tempo, a novela é uma obra viva, que me enche de felicidade. Escrever para crianças também é muito importante porque mexe com o meu lado criança. Eu me torno menino quando escrevo. É bom também saber que estou contribuindo para a formação de novos cidadãos.

AB - De quem partiu a ideia de escrever um livro com temática homossexual para crianças? Como a editora reagiu à ideia?
WC - A ideia foi minha porque estou atento às novas famílias e novas formas de comportamento. Desde o primeiro momento, a editora adorou a ideia. "Meus Dois Pais" foi um livro escrito e editado com todo o carinho. E teve, inclusive, a opinião de um psiquiatra, que leu o original e contribuiu com opiniões críticas para torná-lo melhor.

AB - Ano passado, você ingressou na Academia Paulista de Letras. Entrar para a Academia Brasileira de Letras também é um sonho?
WC - Eu já estou tão orgulhoso de estar na Academia Paulista! Nunca esperei essa honra! Lá, convivo com pessoas que sempre respeitei, como a escritora Lygia Fagundes Telles. Não gosto de planejar o futuro ou de me prender a projetos. Sem dúvida, respeito muito a Academia Brasileira de Letras, mas, falando francamente, tem tanta gente boa, que assina uma obra considerável, para entrar, que, no momento, prefiro aplaudir os novos acadêmicos.

AB - Você é muito abordado nas ruas e colégios por crianças e adolescentes. Qual teria sido a abordagem mais divertida ou inusitada?
WC - Ah, criança é muito franca! Certa vez, fui a um colégio para falar sobre um livro editado há mais de uma década. Um garoto veio até mim, apontou a foto no final do livro e perguntou: "É o senhor mesmo?". Respondi: "Claro que sim, sou eu!". E o garoto: "É que aqui o senhor está tão magro!". (risos)


Comentários
  • Avatar
    21/08/2011 05:56:01severina.Anônimo

    Eu sei que é impocivel o que vou pedir, mas gostaria muito se vc walcyr um dia viesse ao Recife vissitassem nossa escola. Seria muito gratificante,seus livros são lições de vida,é disso que nossos alunos precisa.Abraços to lhe esperando.

  • Avatar
    21/08/2011 05:32:40severinaAnônimo

    Trabalho na Biblioteca da Escola Senador F Pessoa de Queiroz, no Cabo de Santo Agostinho,Pernambuco.Estou sempre lendo ,gosto muito dos livros de Walcyr Carrasco indico para os alunos e eles adoram. gotaria que enviasse por imail mais nomes de livros desse escritor , pois os alunos procuram muito.Obrigado.

  • Avatar
    11/10/2010 14:16:19Sueli dos Santos SilvaAnônimo

    Oi meu grande sonho é te conhecer.Adivinha onde moro e quem sou eu? Sou Conselheira da Apeoesp de Marília,professora de Matemática,desde 1992 que estou na rede.Onde Leciono?Em Vera Cruz,onde está atualmente gravando!E agora o mais incrível onde moro?Na casa em que vc foi criado.End: Av:Brasil nº 474.Por favor posso fazer algumas fotos com vc aqui na nossa casa?Um grande abraço.Aguardo retorno.ME retorne inclusive vc tem orkut?Tenho 41 anos.

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.