SRZD



Sidney Rezende

Sidney Rezende

Diretor do SRZD, apresentador do "Brasil TV", da "Rede Globo", e âncora de telejornais da "GloboNews". Sidney foi um dos fundadores da "CBN".

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



07/03/2014 14h43

Policial também é gente
Sidney Rezende

A sociedade tem uma postura contraditória diante do papel da polícia no Brasil. Ao mesmo tempo em que nos socorremos nela quando necessário, pensamos que os policiais não fazem parte do nosso tecido social. Em alguns casos, eles são até rejeitados.

Há muito tempo que não aparece alguém com um pensamento tão claramente concatenado como o da mulher do PM Rodrigo Paes, Luana Pilar. O soldado Rodrigo Paes Leme, 33 anos, lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Nova Brasília morreu após ser alvejado no peito. Luana postou na sua rede social: "Para o Estado, somos apenas um número; para a sociedade, um objeto que não precisa de direitos; para nossas famílias, somos imortais. Nenhum deles tem razão, infelizmente."

 


5 Comentários | Clique aqui para comentar

21/02/2014 11h13

Invasão de privacidade
Sidney Rezende

O que aconteceu com o chat do SRZD foi um crime, mas também uma violência contra a liberdade de expressão. O que motiva alguém a impedir um serviço importante para os leitores feito por um portal independente e democrático?

Nossos convidados são pessoas importantes e representantes de vários segmentos da vida social brasileira. Não há discriminação da nossa parte quanto ao que elas pensam, ideologias que defendam ou mesmo partidos que eventualmente integrem ou simpatizem.

O chat do SRZD é plural. Nossos técnicos estão investigando com tranquilidade e daremos conhecimento público de tudo o que descobrirmos.

A sensação de desalento é grande, principalmente por saber que existem no mundo moderno pessoas que preferem silenciar as outras e prejudicar o trabalho de organizções sérias na crença de que estão construindo um mundo melhor. Não estão.

Leia mais aqui!!!


2 Comentários | Clique aqui para comentar

31/01/2014 12h12

Os homens das nove
Sidney Rezende

A novela "Amor à Vida" termina com um desfecho muito interessante para os personagens masculinos.

O Félix, que começou a novela com um pé lá e outro cá, ficou com o Carneirnho. O Lacraia de olhos azuis, que passou para o lado de cá, no final do folhetim, voltou para lá.

O Eriberto Leão entrou na trama na última semana, mas já foi pra lá e se ajeitou com o Heron.

O personagem de Fúlvio Stefanini só voltou com a mulher depois de amargar uma solidão no quarto dos fundos. O Fagundão pegou geral, sim. Mas foi punido. Enganado, corneado, humilhado, cego, depois vítima de um derrame, parece que padecerá seus últimos dias numa cadeira de rodas. Quem mandou sair por aí com um monte de mulheres, né?

O bonitão Malvino Salvador comeu o pão que o diabo amassou, mas, fiel, ficou com a mocinha, que sempre foi mais forte que ele. Um fracote que acabou se dando bem.

O pegador Herbert, interpretado por Wilker, também foi "punido". Como um beija-flor foi ali, aqui, acolá e ficará com um "prêmio de consolação".

Sei lá, gente, perdi algum capítulo, cadê os homens? 

Ah, o "tapete persa" também dançou. O Palhaço é aquilo, né?

Só tem homem fraco.

Esqueci, tem homem, sim. O Félix, embora criminoso. Roubou, participou de sequestro, mentiu e blá... blá... Mas como é um cara legal, foi perdoado pelo povo brasileiro. 

Sei lá, acho que as mulhers estão certas. Está faltando homem na praça.

Então tá!

É aquilo, né!


1 Comentários | Clique aqui para comentar

22/01/2014 10h35

Trabalho escravo e jornalismo de qualidade
Sidney Rezende

A "Globonews" exibiu esta semana um programa sensível, objetivo que, de tão bem feito, transformou-se num soco direto na boca do estômago do cidadão responsável. O tema, por si só, "trabalho escravo no Brasil", é dilacerante.

A produção, imagens, roteiro e edição do programa foram feitas pelos jovens Mariana Veil e Júlio Molica. Os repórteres mostraram com isenção a crueldade praticada contra pessoas que dedicaram muitas horas do seu dia a trabalhos árduos e nada recebem.

Os direitos desta gente foram para o espaço. São explorados por criminosos inescrupulosos que se passam por fazendeiros, donos de terra ou "empresários" de "deus sabe o que".

O trabalho escravo é mais comum do que imaginamos.

Gostaria de chamar a atenção que o programa só foi possível por existir uma equipe azeitada nos bastidores. A coordenação do núcleo de reportagens especiais fica sob a responsabilidade de Anna Bernardoni. E assinatura de qualidade, como sempre, da editora-chefe Marita Graça.

O Brasil na tela da TV não é pouca coisa. E, para isto, que queremos que se utilize este veículo fabuloso. Mão de obra de qualidade no jornalismo, temos de sobra. Parabéns aos colegas.



18/01/2014 15h10

Somos cruéis, e isto é sério
Sidney Rezende

Viajamos por alguns países e a imagem que os estrangeiros com quem conversei têm do Brasil é que somos uma potência, um país com recursos incríveis, que demos um salto real, que temos posição política diante dos Estados Unidos e que nosso futuro é promissor.

O incomodativo é quando listam nossas mazelas. Não tive reação.

Na Espanha, ouvi que o Rio de Janeiro é uma das cidades mais lindas, caras e que a violência é imensa. Inaceitável.

Em Portugal, o alerta era para que ficássemos atentos, pois os bancos públicos e privados estariam liberando muitos créditos incentivados pelo Governo e que breve o endividamento popular virá, e que isto comprometerá nossa saúde financeira. Eles preveem que nós seremos já, já, a Europa quebrada de hoje.

Na França, motivação zero quanto à Copa do Mundo no Brasil. "Não dá para visitar um país em que somos roubados, agredidos e assassinados". Aí é duro.

Entre nós, agora. O que é real é que nos acostumados à brutalidade, à violência em estado puro, aos crimes mais hediondos que são praticados aqui. Bandidos degolam e mandam degolar. A barbárie dorme ao nosso lado e pouco fazemos.

Os traficantes mandam e desmandam com os seus celulares na mão, advogados agem como garotos de recado. Uma vergonha. Outro dia, um pastor tentou entrar num presídio com uma lâmina escondida na sola do sapato. 

O sistema penitenciário brasileiro é um depósito de lixo humano. As escolas, péssimas. Há brutalidade nas ruas, no trânsito e em todos os cantos e isto nos conduz a uma constatação terrível: "somos cruéis". Recordistas de maldade. Vergonha global neste quesito.

Muitos matam, ou mandam matar. E muitos de nós gostaríamos de mandar o pacifismo às favas. A quantidade de pessoas que defendem metralhar bandidos, jogar bomba em favelas e crucificar o vizinho é muito além da nossa imaginação.

Estamos cruéis, doentes, e o mundo já notou. Menos nós. 

O silêncio da presidente Dilma diante da crise maranhense e brasileira é o pior e que nós não merecíamos. Acorda, presidente!


9 Comentários | Clique aqui para comentar

18/01/2014 13h44

Sucesso de "Amores Roubados" é de Walter Carvalho
Sidney Rezende

A fotografia da série "Amores Roubados" foi simplesmente primorosa. E a assinatura desta obra de arte tem nome e sobrenome: Walter Carvalho. O elenco deve a este artista a obra que tivemos o prazer de compartilhar.

Depois, logo abaixo, a consagração dos artistas mais afeitos ao cinema nacional. Dira Paes quebrou tudo. Osmar Prado confirma que é um grande ator. A interpretação de Patrícia Pillar simplesmente engasga a garganta do espectador. Brilhante. Entediada e sufocante.

Murilo Benício parece um ator sem limites. A cada obra, uma atmofesta nova circunda o ambiente que pisa.

Cássia Kis é outra artista que se reinventou na sua personagem de mau caráter, porque a sociedade a fez assim. Um sem número de artistas que chamamos de "quadro de apoio" foram muito bem explorados pelo diretor José Luiz Villamarim, o mesmo de "O Canto da Sereia". E parabéns ao autor George Moura. Tudo no ponto.

Para quem não sabe, a minissérie, em dez capítulos, é baseada num folhetim do início do século 20, "A Emparedada da Rua Nova", de Carneiro Vilela (1846-1913).

Cauã e Isis Valverde agradecerão no futuro estar no lugar certo na hora certa.

Outro mérito da elogiada série foi a locação. Fiquei emocionado em reencontrar duas queridas cidades que conheço bem: Paulo Afonso (BA) e Petrolina (PE). Sem dizer que o Brasil real, finalmente, foi recriado com talento e jogado na tela sem pena. Escancarado com nossos bálsamos e nossas feridas.

"Amores Roubados" foi a obra do ano. E olha que 2014 está só começando... Será difícil ela ser superada.


3 Comentários | Clique aqui para comentar

14/01/2014 19h33

Os brasileiros são vistos como mal educados
Sidney Rezende

Por qual razão se multiplica na internet um texto atribuído a um americano que diz que odiou o Brasil principalmente pelas práticas do povo e por nossos hábitos questionáveis? Leia o que ele disse e tire suas conclusões.

1. Os brasileiros não têm consideração com as pessoas fora do seu círculo de amizades e muitas vezes são simplesmente rudes. Por exemplo, um vizinho que toca música alta durante toda a noite… E mesmo se você vá pedir-lhe educadamente para abaixar o volume, ele diz-lhe para você "ir se fud**". E educação básica? Um simples "desculpe-me ", quando alguém esbarra com tudo em você na rua simplesmente não existe.

2. Os brasileiros são agressivos e oportunistas, e, geralmente, à custa de outras pessoas. É como um "instinto de sobrevivência" em alta velocidade, o tempo todo. O melhor exemplo é o transporte público. Se eles vêem uma maneira de passar por você e furar a fila, eles o farão, mesmo que isso signifique quase matá-lo, e mesmo se eles não estiverem com pressa. Então, por que eles fazem isso? É só porque eles podem, porque eles vêem a oportunidade, por que eles querem ganhar vantagem em tudo. Eles sentem que precisam sempre de tomar tudo o que podem, sempre que possível, independentemente de quem é prejudicado como resultado.

3. Os brasileiros não têm respeito por seu ambiente. Eles despejam grandes cargas de lixo em qualquer lugar e em todos os lugares, e o lixo é inacreditável. As ruas são muito sujas. Os recursos naturais abundantes, como são, estão sendo desperdiçados em uma velocidade surpreendente, com pouco ou nenhum recurso.

4. Brasileiros toleram uma quantidade incrível de corrupção nos negócios e governo. Enquanto todos os governos têm funcionários corruptos, é mais comum e desenfreado no Brasil do que na maioria dos outros países, e ainda assim a população continua a reeleger as mesmas pessoas.

5. As mulheres brasileiras são excessivamente obcecadas com seus corpos e são muito críticas (e competitivas com) as outras.

6. Os brasileiros, principalmente os homens, são altamente propensos a casos extraconjugais. A menos que o homem nunca saia de casa, as chances de que ele tenha uma amante são enormes.

7. Os brasileiros são muito expressivos de suas opiniões negativas a respeito de outras pessoas, com total desrespeito sobre a possibilidade de ferir os sentimentos de alguém.

8. Brasileiros, especialmente as pessoas que realizam serviços, são geralmente malandras, preguiçosas e quase sempre atrasadas.

9. Os brasileiros têm um sistema de classes muito proeminente. Os ricos têm um senso de direito que está além do imaginável. Eles acham que as regras não se aplicam a eles, que eles estão acima do sistema, e são muito arrogantes e insensíveis, especialmente com o próximo.

10. Brasileiros constantemente interrompem o outro para poder falar. Tentar ter uma conversa é como uma competição para ser ouvido, uma competição de gritos.

11. A polícia brasileira é essencialmente inexistente quando se trata de fazer cumprir as leis para proteger a população, como fazer cumprir as leis de trânsito, encontrar e prender os ladrões, etc. Existem Leis, mas ninguém as aplica, o sistema judicial é uma piada e não há normalmente nenhum recurso para o cidadão que é roubado, enganado ou prejudicado. As pessoas vivem com medo e constroem muros em torno de suas casas ou pagam taxas elevadas para viver em comunidades fechadas.

12. Os brasileiros fazem tudo inconveniente e difícil. Nada é simplificado ou concebido com a conveniência do cliente em mente, e os brasileiros têm uma alta tolerância para níveis surpreendentes de burocracia desnecessária e redundante.

13. Brasileiros pagam impostos altos e taxas de importação que fazem tudo, especialmente produtos para o lar, eletrônicos e carros, incrivelmente caros. E para os empresários, seguindo as regras e pagando todos os seus impostos faz com que seja quase impossível de ser rentável. Como resultado, a corrupção e subornos em empresas e governo são comuns.

14. Está quente como o inferno durante nove meses do ano, e ar condicionado nas casas não existe aqui, porque as casas não são construídas para ser herméticamente isoladas ou incluir dutos de ar.

15. A comida pode ser mais fresca, menos processada e, geralmente, mais saudável do que o alimento americano ou europeu, mas é sem graça, repetitivo e muito inconveniente. Alimentos processados, congelados ou prontos no supermercado são poucos, caros e geralmente terríveis.

16. Os brasileiros são super sociais e raramente passam algum tempo sozinho, especialmente nas refeições e fins de semana. Isso não é necessariamente uma má qualidade, mas, pessoalmente, eu odeio isso porque eu gosto do meu espaço e privacidade, mas a expectativa cultural é que você vai assistir (ou pior, convidar amigos e família) para cada refeição e você é criticado por não se comportar "normalmente" se você optar por ficar sozinho.

17. Brasileiros ficam muito perto, emocionalmente e geograficamente, de suas famílias de origem durante toda a vida. Como no #16, isso não é necessariamente uma má qualidade, mas pessoalmente eu odeio porque me deixa desconfortável e afeta meu casamento. Adultos brasileiros nunca "cortam o cordão" emocional e sua família de origem (especialmente as mães) continuam a se envolvido em suas vidas diariamente, nos problemas, decisões, atividades, etc. Como você pode imaginar, este é um item difícil para o cônjuge de outra cultura onde geralmente vivemos em famílias nucleares e temos uma dinâmica diferente com as nossas famílias de origem.

18. Eletricidade e serviços de internet são absurdamente caros e ruins.

19. A qualidade da água é questionável. Os brasileiros bebem, mas não morrem, com certeza, mas com base na total falta de aplicação de leis e a abundância de corrupção, eu não confio no governo que diz que é totalmente seguro e não vai te fazer mal a longo prazo.

20. E, finalmente, os brasileiros só tem um tipo de cerveja (aguada) e realmente é uma porcaria, e claro, cervejas importadas são extremamente caras.


8 Comentários | Clique aqui para comentar

14/01/2014 09h23

Evandro Teixeira, o craque de sempre
Sidney Rezende

Exibindo convite.jpg



14/01/2014 09h16

Aprenda "Biografia" com quem entende
Sidney Rezende

Escrever biografias é uma arte. É uma técnica especial de redação e que exige conhecimentos diferenciados. Várias vezes já elogiei aqui o escritor e jornalista Fernando Morais, a quem considero um papa neste gênero.

Recebo a notícia agora que os jornalistas Regina Zappa, Guilherme Fiúza e João Máximo vão estar na Estação das Letras para três encontros sobre "A Biografia" ou "Como Escrever Sobre os Outros". Os participantes das oficinas, que acontece no dia 1º de fevereiro, vão se envolver, entre outras questões, na técnica e na necessidade de autorização para realizar e publicar um texto.

Aos interessados, a Estação fica na Rua Marquês de Abrantes, 177, no Flamengo, zona sul do Rio de Janeiro. As inscrições podem ser feitas pelo (21) 3237-3947, mais informações no site www.estacaodasletras.com.br.



13/01/2014 11h11

Crise na Gama Filho: Comunicado Oficial
Sidney Rezende

Recebi o documento abaixo e reproduzo para o nosso leitor: 

"A GALILEO EDUCACIONAL, mantenedora da Universidade Gama Filho e do Centro Universitário da Cidade, presta os seguintes esclarecimentos:

1. O campus da Gama Filho em Piedade e as unidades da UniverCidade na Gonçalves Dias e Madureira tiveram apenas expediente interno no dia de hoje, com a manutenção de serviços essenciais.
2. O fechamento dos portões ocorreu em função da paralisação parcial de professores e funcionários, que reduziu o efetivo em alguns setores de trabalho.
3. Para evitar danos às instalações e ao patrimônio acadêmico, o acesso às unidades de ensino permaneceu restrito.
4. Conforme comunicado emitido pela direção, os alunos podem solicitar a retirada de documentos e histórico acadêmico por meio eletrônico, dispensando-se o atendimento presencial.
5. A direção solicitou ainda o reforço do policiamento no entorno do campus Piedade, como forma de garantir a integridade de alunos, professores e funcionários.
6. O grupo Galileo confia no plano de reestruturação em curso e no cumprimento de todos os requisitos regulatórios do Ministério da Educação. A prioridade é normalizar os pagamentos a professores e funcionários, com vistas à retomada plena da atividade administrativa e acadêmica.
7. O Programa de Melhorias da Infraestrutura tem por objetivo final garantir um projeto de Educação baseado na busca contínua pela qualidade de ensino, com prioridade para a produção e a consolidação do conhecimento."

E depois do descredenciamento pelo MEC o Grupo Galileo distribuiu uma nova nota oficial. Leia abaixo:

 1. A Galileo Educacional vem a público manifestar seu repúdio ao descredenciamento da Universidade Gama Filho (UGF) e do Centro Universitário da Cidade (UniverCidade).


2. Trata-se de uma decisão injusta e arbitrária, que leva o caos a duas das mais tradicionais e respeitadas instituições de ensino superior do Rio de Janeiro.

3. A Galileo Educacional já havia apresentado um amplo projeto de reestruturação junto ao MEC, contemplando a retomada das atividades acadêmicas e regularização dos salários de professores e funcionários.

4. A decisão do MEC viola, entre outros princípios constitucionais, o principio da isonomia, uma vez que outras instituições de ensino superior passam por situação similar de dificuldade financeira e não foram descredenciadas.

5. O patrimônio imobiliário do grupo é superior aos passivos financeiro, fiscal e trabalhista das duas instituições.

6. O descredenciamento põe em risco o emprego de 1.600 professores e cerca de mil funcionários administrativos, além de comprometer o futuro de milhares de estudantes.

7. A direção do grupo vai recorrer da decisão junto ao próprio MEC, além de acionar as instâncias judiciais cabíveis.

 

 


5 Comentários | Clique aqui para comentar

10/01/2014 09h57

Gama Filho precisa de ação imediata do MEC
Sidney Rezende

O permanente conflito entre estudantes e a direção do Grupo Galileo, que comanda a universidade Gama Filho e o Centro Universitário da Cidade (UniverCidade), extrapolou o bom senso. A aflição por solução bateu nas portas da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Educação, Aloisio Mercadante.

A última posição conhecida é a criação de uma comissão composta por cinco membros do MEC, por sete representantes dos alunos, sendo três da Gama Filho, três do Centro Universitário da Cidade (UniverCidade), ambos mantidas pelo grupo Galileo, e um representante da União Nacional dos Estudantes (UNE).

O problema de comissões criadas por autoridades públicas é que muitas vezes elas são constituídas para nada resolver. E quando isso acontece, a solução do problema se arrasta, ultrapassa o tempo tolerável e a educação da garotada fica comprometida. O MEC tem que intervir, e rápido, e resolver esta "briga" antes do final de fevereiro.

Leia a cobertura completa aqui.


3 Comentários | Clique aqui para comentar

10/01/2014 09h39

Mangueira e os seus milhões de patrocinadores
Sidney Rezende

A convocação feita pelo presidente da Mangueira, Chiquinho, aos apaixonados pela escola a ajudar com dinheiro para que a Estação Primeira faça o seu Carnaval é louvável e, se der certo, inaugura-se um novo tempo para as agremiações de todo o Brasil.

Vários jornais europeus de esquerda já fizeram algo semelhante. Algumas publicações foram sustentadas por seus leitores. A ideia era que, com isso, a independência editorial fosse preservada. E os jornalistas fugiriam das "amarras" dos patrocinadores convencionais. Iniciativas assim costumam dar certo por um certo tempo, mas não sempre. Mas a história não precisa se repetir.

A Mangueira propôs algo viável, interessante, inteligente e ousado. Se der certo, servirá de exemplo, sem dúvida. E libertará as diretorias das escolas de samba que não têm fonte fixa de renda. E pode até embarreirar a tradicional forma de regar dinheiro vindo de fontes estranhas.

Leia aqui o que se está tentando fazer na Mangueira. Vamos acompanhar de perto. E torcer para que o mangueirense abrace a ideia. E, mais que isso, que a direção da escola valorize cada centavo ofertado pelo apaixonado da verde e rosa.

Afinal, estamos falando de confiança. Quem doa, acredita. Mas é a administração do recurso que fará a diferença se a ideia foi dignificada quando a teoria virou prática.


1 Comentários | Clique aqui para comentar

10/01/2014 09h32

Samara Felippo
Sidney Rezende

Como vocês viram ontem, estive com a atriz Samara Felippo por conta da divulgação da peça "Orgulhosa Demais, Frágil Demais", de Fernando Duarte, sob a direção de Sandra Pêra, irmã de Marília, e que estreou em dezembro do ano passado.

Samara, que pintou seus cabelos de loiro, interpreta Marilyn Monroe. A trama se passa um dia depois do aniversário do presidente Kennedy - quando a blondie cantou o "parabéns para você!" mais sensual da história. É numa conversa insólita entre Monroe e a cantora lírica Maria Callas, vivida no palco por Rita Elmôr, que a gente encontra os pontos comuns de duas mulheres tão diferentes. Mas será que eram mesmo? 

Na entrevista de ontem, Samara explicou a velha mágica de conciliar a educação das filhas que teve do casamento com o jogador de basquete Leandrinho e a carreira de atriz. Uma das crianças estava em casa febril, mas Samara escapou, falou sobre o espetáculo que protagoniza e voltou correndo para atender a menina.

 



06/01/2014 12h52

Chico Rezende deixa a 'Globo'
Sidney Rezende

Chico Rezende. Foto: Reprodução youtube.com/chicorezende

Francisco Rezende fez um trabalho muito criativo no "Globo Esporte". Incialmente como "Chico Torcedor" e, depois, passou a conduzir um quadro em que levava torcedores até o Maracanã. E lá, no "Maior do Mundo", extraia sacadas curiosas dos seus convidados. Divertido.

O sucesso do Chico é testemunhado na internet por milhões de fãs. Eu mesmo me surpreendo com a criatividade. Por ser meu filho, a isenção fica comprometida, reconheço.

Por isso, para evitar chamego exagerado, eu convido você que ainda não conhece a dar uma navegada no canal onde ele reúne sua produção mais recente. Basta clicar aqui: youtube.com/chicorezende

Francisco não renovou o contrato com a "Globo" e seus vídeos, produção própria, serão exclusivos na internet. Sucesso, filhão!


4 Comentários | Clique aqui para comentar

05/01/2014 11h45

"Toplessaço", é simples assim!
Sidney Rezende

A produtora Ana Paula Nogueira, que ficou conhecida por participar do que se chamou "toplessaço" me contou o que ela pensa sobre o que fez. Ela ficou de mais tarde nos mandar um texto inédito com mais detalhes. Confira o que ela me disse:

"Não chega a ser uma bandeira, só acho que isso é natural e as pessoas do Rio são muito hipócritas. Queremos ser primeiro mundo só onde interessa. Enfim, só luto por um Rio menos careta e que seja referência em turismo internacional. Acho que se tivemos uma postura saudável quanto a isso, até quebramos o estigma de turismo sexual e que todas as mulheres que vão à praia são putas."


1 Comentários | Clique aqui para comentar