SRZD



Sidney Rezende

Sidney Rezende

ATUALIDADE. Jornalista, diretor do SRZD e um dos profissionais mais inovadores do país.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



03/05/2016 12h04

Imprensa tradicional e as redes sociais
Sidney Rezende

Ontem, fui entrevistado por Cadu Freitas no programa Bate Papo Ponto Com, na Rádio MEC AM. Na conversa, falei sobre o Nacional Brasil, meu programa na Rádio Nacional que estreia nesta quarta-feira (4). 

Sidney Rezende e Cadu Freitas. Foto: Divulgação

Respondi ainda pergunta de ouvinte sobre a imprensa tradicional e os novos canais de redes sociais para o jornalismo.

Ouça aqui a entrevista na íntegra!

 



17/04/2016 23h19

Espetáculo lamentável
Sidney Rezende

Os brasileiros foram submetidos a um dos mais vexatórios episódios da vida política brasileira neste domingo em que o impeachment foi o centro das atenções. A Câmara dos Deputados deu um espetáculo de baixo nível. Não pelo resultado, já que os dois lados mediam força e só um venceria. Mas pela forma escancarada como vimos o despreparo dos nossos legisladores. Vergonha. 

Os parlamentares demonstraram desconhecer o seu papel histórico e a sua função principal. Suspeita-se que poucos, muito poucos, tenham lido o relatório do deputado Jovair Arantes. Não era isso que estava em jogo? 

As referências aos parentes, a suas cidades e a amigos foram alguns dos exemplos de desapego com a realidade. Uma pena.

O prosseguimento do processo, agora no Senado, reabre uma nova página na política brasileira. O poder a Michel Temer e, em seguida, a situação mais confortável de Eduardo Cunha coroa uma forma vitoriosa de interferência parlamentar, midiática e jurídica.

Pode-se dizer que as elites venceram e agora será a hora de jogar para baixo do tapete os crimes dos ricos. Não foi sempre assim?

 


7 Comentários | Clique aqui para comentar

12/04/2016 12h43

A corrupção bateu no teto
Sidney Rezende

Políticos governistas e oposicionistas estão prestando um péssimo serviço ao Brasil. E não são poucos. 

A ONG Transparência Brasil concluiu um levantamento em que aponta que 59% dos 513 deputados federais (303) são investigados por algum crime. No Senado, 49 dos 81 - 60% do total - respondem por alguma irregularidade na Justiça. 

Quando o cidadão vota no candidato que o representará em Brasília, ele acredita que receberá em retribuição uma folha de serviços em favor do país. Infelizmente, o que se constata hoje - em parte do mandato percorrido - é que alguns estão mais próximos de preencher uma "folha-corrida". 

Pesam contra os deputados um sem-número de inquéritos nas áreas cíveis e criminais, passando por contas rejeitadas por órgãos de fiscalização. Tem até uma denúncia de homicídio carecendo de explicação convincente. 

O deputado federal Washington Reis (PMDB-RJ), ex-prefeito de Duque de Caxias, - que se diz contra o impeachment da presidente Dilma - é recordista de pendências, com 28.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, é o caso mais escandaloso. Vergonhoso, até. Já se foi o tempo que ter contas em bancos suíços sem declarar à Receita Federal era um escândalo. 

Quarenta membros da Comissão que aprovou a admissibilidade da tramitação do processo de impeachment também estão na lista dos beneficiados irregularmente, de acordo com investigação da operação Lava Jato. 

As acusações contra alguns políticos incluem improbidade administrativa, lavagem de dinheiro, corrupção. Seis parlamentares são investigados por formação de quadrilha. Além disso, seis deputados já foram condenados em alguma instância da Justiça e oito são réus no Supremo Tribunal Federal. 

Por isso tudo, não é de se estranhar que cresça nas redes sociais a reivindicação em favor do fim do foro privilegiado. O brasileiro começa a ter horror aos corruptos e gente sem o mínimo de respeito com a cidadania. Isto não é ruim.

Mas punir essa turma seria melhor ainda.

 


4 Comentários | Clique aqui para comentar

10/04/2016 15h10

Aécio Neves viverá seu inferno astral
Sidney Rezende

Político experiente também erra. O senador Aécio Neves optou pelo perigoso perfil santificado: "honesto máximo", "paladino da moral e dos bons costumes" e "fiscal da moral alheia". E deu no que deu.

Rejeitado nas ruas por manifestantes que, teoricamente, deveriam ser seu aliados. Hostilizado eleitoralmente em sua terra natal, Minas Gerais, o neto de Tancredo não convence mais muita gente.

Carregado pela mídia amiga e alçado à condição de líder das oposições, Aécio está longe de ser um profissional da política. Seu amadorismo surpreende cronistas habituados ao cotidiano de Brasília.

A viagem à Venezuela foi uma pantomima que qualquer marqueteiro de terceira categoria teria desaconselhado aquele grupo de viajantes, liderado por Neves. A construção do aeroporto em terreno da família até hoje carece de uma explicação convincente. Penso que no final deste texto chegaremos a uma razoável hipótese.

O fantasma das drogas, mesmo que o senador não seja usuário, ganhou as redes sociais, as ruas e é uma daquelas coisas que será difícil convencer a turba que é só uma assombração comum em noites escuras.

O helicóptero com drogas, conhecido como caso Perrella, - se preferir Helicoca - foi pauta da imprensa estrangeira. E, no exterior, ouvi versões sobre o acontecimento que me reservo não repetir. Tenho vergonha.

A lista de Furnas, a sucessão de citações nas delações premiadas e o conjunto da obra já deveriam ter acendido o sinal amarelo do PSDB. Como o partido parece querer continuar com o Aécio no seu escrete, o que vai acontecer é o crescimento do grupo de São Paulo. 

Com todos os problemas de comunicação, o governador Geraldo Alckmin tem mais chances de ser o candidato em 2018 do que o senador mineiro. Alguém terá a fácil missão de dizer para Aécio: "perdeu, playboy!".

Claro que os tucanos vão discordar de tudo o que foi escrito até aqui. Compreensível. Se discordarem, tudo bem, Aécio Neves voltará em 2018. E, por conta da escolha, perderão de forma humilhante.

A pesquisa Datafolha mais recente posiciona o ex-governador de Minas muito mal. Era para ele estar na liderança depois de tudo o que se disse da "organização criminosa" e do resultado parcial da operação Lava-Jato.

Se com tudo isso Aécio não decola, quem sabe não seja essa a explicação para o aeroporto em Cláudio? Lá, ele poderá aterrissar em casa sem ser molestado.


11 Comentários | Clique aqui para comentar

08/04/2016 15h13

Mapa Estratégico do Comércio
Sidney Rezende

Trabalhei ao lado de George Vidor uns bons 15 anos e nunca havíamos tirado uma foto juntos. Não me recordo. E desta vez, em Angra dos Reis, foi uma alegria reencontrar o "gravatinha". Somos bons amigos.

Eu também reencontrei Amanda Pinheiro, hoje profissional consagrada na Futura. Ela foi minha aluna na Puc e já percebia que seguiria firme na carreira. Sucesso aos dois amigos.

Quem também participou do nosso talk show foi o economista do Ibre, Márcio Couto.

Fotos: JPAIM Foto



08/04/2016 14h32

O blog você não pode deixar de ler
Sidney Rezende

Drama diário. As opções de leitura na internet são tantas que a escolha do que realmente vale a pena chega a ser perturbadora. Lembra aquela sensação que temos diante da bancada de comida de restaurante "self service"? Nem sempre é fácil compor o prato.

Posso dar uma sugestão? Inclua entre seus favoritos dois endereços: wwmarina.blogspot.com.br e instagram.com/realmarinaw.

O blowg completou 15 anos de existência no dia 7 de abril. E está mais atual do que nunca. E isto só é possível porque lhe dá vida o talento literário de Marina W, nome artístico de Maria Adriana Rezende.

Sempre a considerei uma poeta de mão cheia, embora o público só perceba este seu lado, digamos, mais jornalístico.

O blog de Marina é criativo, equilibrado entre leveza e profundidade. Ela nos brinda com um visual bem próximo do que de melhor pode agradar aos artistas plásticos.

Você quer uma leitura instantânea, descolada e essencial? Dê uma olhadinha aqui: wwmarina.blogspot.com.br.


5 Comentários | Clique aqui para comentar

29/03/2016 16h19

Oportunismo e conveniência
Sidney Rezende

Cabem na política brasileira escroques de todos os tipos. Os que agem por conveniência e oportunismo são os mais tradicionais. E facilmente identificáveis. Os honestos são dragados impiedosamente.

Os moralmente desonestos são aqueles que abandonam o barco do poder claudicante um pouco antes de entrar na água e já se apinham no grupamento que assumirá o governo que lhes dê futuro.

Entenda-se nisto algo próximo de obtenção de cargos, influência nas indicações na burocracia, acesso a investimentos públicos e, consequente, controle dos cordéis que regem a sociedade. Estes tipos não são exatamente parasitas, são um pouco piores. Eles são representantes de outros que deles precisam para se perpetuar no poder. 

E tem sido assim desde o Império perpassando o início da República, a República Velha, o Estado Novo, o governo militar implantado em 64, a Nova República e os da "Pátria Educadora". A mesma ideologia dominante não perdeu uma só batalha nesta luta que chamamos o embate entre conservadores e progressistas.

Tem uma música dos Avassaladores e também cantada pela dupla sertaneja Munhoz & Mariano que bem poderia ser hino desta canalhada. O nome da canção - "Sou foda" - é sugestivo, mas de antemão já peço desculpas pela letra tão desabrida:

"Sou foda.

Na cama te esculacho

Na sala ou no quarto no beco

Ou no carro...

Eu sou sinistro melhor que seu marido

Esculacho seu amigo

Na cama eu sou perigo

Avassalador um cara Interessante

Esculacho seu amante até o seu ficante...

Mas não se esqueça que eu sou

Vagabundo depois que a putaria

Começou rolar no mundo...". 

O avanço do processo do impeachment expõe um quadro de degeneração. Um terço dos integrantes da Comissão que analisa o impedimento da presidente Dilma Rousseff respondem a alguma acusação no Supremo Tribunal Federal. 

Sessenta por cento dos 594 parlamentares não podem reivindicar inocência definitiva diante de suspeitas de práticas de crimes. A marca dos 300 picaretas da canção dos Paralamas foi atualizada e os números do momento não são nada bons.

Segundo a Operação Lava Jato, no âmbito eleitoral, 60% do que empreiteiras desviaram da Petrobras serviram à campanha da presidente Dilma, do PT. E 40% do arrecadado pelas mesmas empreiteiras foram para a campanha de Aécio Neves, do PSDB. A presidente pode perder o mandato;  e quanto a Aécio, aparentemente, nada acontecerá.

Será que inicialmente os "vermelhos" e, em seguida, os "verdes e amarelos", vão ser enrolados pelos "profissionais" da política com o currículo em parte descrito no início deste texto? 

Você está enganado se pensa que a resposta a esta pergunta será dada por eles. Não. A resposta é nossa.


12 Comentários | Clique aqui para comentar

03/03/2016 16h39

Você também pode curtir o Prêmio SRZD-Carnaval/SP
Sidney Rezende

 

 



02/03/2016 19h13

Prêmio SRZD-Carnaval/SP vem aí!
Sidney Rezende

Está chegando a hora!

Dia 18 de março será realizada a festa do Prêmio SRZD-Carnaval/SP.

Na foto que ilustra este post está a minha equipe do coração que está envolvida neste enorme desafio.

Para você que nunca foi a nenhum de nossos eventos, se apresse em saber detalhes como fazer para estar entre os sambistas mais importantes de São Paulo e do Brasil.

Veja aqui como conseguir seu ingresso.

Eu estarei presente e quero te dar um abraço!

Equipe de Carnaval em São Paulo do SRZD. Foto: SRZD



29/02/2016 11h01

'A Globo não é dona do Brasil, do futebol e do Carnaval'
Sidney Rezende

Durante o 9º Prêmio SRZD-Carnaval, neste fim de semana, falei pela primeira vez em público após deixar de apresentar jornais na "GloboNews". Minha decisão foi tomada após o término do meu contrato com o Grupo Globo.

Imagens: Marcos Klein


2 Comentários | Clique aqui para comentar

28/02/2016 20h55

Aprontaram comigo
Sidney Rezende

Enquanto eu assistia a uma apresentação do Prêmio SRZD-Carnaval 2016...

Sidney Rezende. Foto: SRZD - Daniel Outlander



31/01/2016 11h37

Beleza e talento de mais, cavalheirismo de menos
Sidney Rezende

A queda da bela Cris Vianna não macula em absolutamente nada seu talento. E ela fez o que precisou ser feito. Levantou e seguiu em frente. O grave foi aparecer apenas um rapaz para ajudá-la a se levantar.

Queda de Cris Viana. Foto: Reprodução

Veja o vídeo da queda na página do SRZD-Carnaval no Facebook aqui!



27/01/2016 14h54

Marcelo Freixo dá a receita para enfrentar a desigualdade no Rio
Sidney Rezende

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) esteve no SRZD nesta quarta-feira e ele falou sobre como a cidade pode ser menos desigual, uma agenda propositiva, protagonismo da mulher e outros assuntos...

Assista ao vídeo da entrevista:

 


4 Comentários | Clique aqui para comentar

25/01/2016 18h08

Beleza negra nos ensaios técnicos 2016
Sidney Rezende

Ensaios técnicos 2016. Fotos: Hellen Manhães

Fotos: acima, de Hellen Manhães | abaixo, de Igor Gonçalves

Ensaios técnicos 2016. Fotos: Igor Gonçalves

 



22/01/2016 16h21

Gratidão
Sidney Rezende

Quando comecei minha carreira, Daisy Lucidi já tinha um programa de sucesso na Rádio Nacional. Ela, sempre generosa, abriu as portas de seu programa para que eu comparecesse e participasse de seus debates. Mais tarde, eu tive o prazer de trabalhar na mesma rádio do saudoso Luiz Mendes, seu marido. O casal é uma joia rara da comunicação brasileira. 

Mauro Magalhães é um dos tricolores que nunca perde o espírito carioca. Está na sua juventude, no seu bronzeado e na sua simpatia.

Wylma Guimarães é outro nome do rádio que valoriza o nosso veículo. 

Me senti muito honrado em me reunir com eles nesta foto.

Wylma Guimarães, Mauro Magalhães, Sidney Rezende e Daisy Lucidi. Foto: Acervo pessoal