SRZD



Hélio Rodrigues

Hélio Rodrigues

LUTAS. Jornalista, foi repórter de MMA do portal SRZD. Já cobriu diversos UFCs, além de importantes eventos do cenário nacional, como o Shooto e o Bitetti Combat.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



29/06/2015 23h09

A decadência de Lyoto Machida
Hélio Rodrigues

O estilo de luta de Lyoto Machida está ultrapassado. Há aqueles que vão me acusar de ser tendencioso, por criticar a maneira de lutar do derrotado exatamente por ele ter perdido para Yoel Romero na madrugada do último domingo, pelo UFC.

Mas não.

Típico carateca, Lyoto abusa da passividade nas lutas que faz. Pelo menos nas últimas que acompanhei, é difícil vê-lo ir atrás do oponente. De maneira estratégica ou intuitiva, The Dragon fica à espreita para um contra-ataque, o que se mostra pouco eficaz. A estratégia, contudo, jamais muda.

Os tempos mudaram. O que o ex-campeão dos meio-pesados fazia e dava certo ficou para trás. Os rivais não caem mais no bote do caratê de Lyoto.

Os tempos mudaram. O MMA se expandiu.

Na última luta que fez, diante do cubano Yoel Romero, mais passividade. Foram praticamente três rounds de estudo de ambos os atletas - o cubano se atentou sobretudo aos "bates-sai" de Lyoto. Eles só se atacavam quando lhes conviam. Mas isso era raro. Até que Romero o derrubou e disferiu cotoveladas mortais que sacramentaram o fim da luta.

Mais um revés para o cartel. Agora, 22 vitórias e sete derrotas de Machida. Nas últimas cinco lutas, foram três resultados negativos. Por ser uma estrela do Ultimate e um ótimo garoto-propaganda no Brasil, Lyoto se mantém dentro da organização. Mas só.

Lyoto, lutador incrível, segue um caminho sem volta: o da aposentadoria.



25/06/2015 21h18

Dana White sorri
Hélio Rodrigues

O duelo entre José Aldo e Conor McGregor está mantido. Dana White sorri. Desde o embate entre Chael Sonnen e Anderson Silva, o presidente do UFC não tinha a oportunidade de explorar tanto a promoção de uma luta como essa - que novamente põe frente a frente um bom moço, o brasileiro, e um falastrão, agora um irlandês.

Para tanto, Dana fez um estardalhaço publicitário nos Estados Unidos: mandou produzir chamadas e teasers cinematográficos com Aldo e McGregor, atraiu patrocinadores e espectadores e fez da logística do evento uma mina a ser explorada - como é de praxe no UFC. Não à toa chamou o desafio pelo cinturão de "o mais caro da história do Ultimate Fighting Championship." Ele investiu pesado.

Logicamente, o executivo espera retorno - na audiência e no lucro financeiro. Caso Aldo e a respectiva equipe mudem de ideia e resolvam desistir da luta devido ao risco de lesão, Dana colocará Chad Mendes para disputar o cinturão interino dos pesos penas com McGregor. O americano tem carisma e é querido pelo público fiel do MMA nos Estados Unidos: tem a favor ainda o fato de lutar em casa - o que poderia ser explorado por Dana também.

Negócios são negócios...



20/06/2015 20h58

Joanna Jedrzejczyk mantém cinturão dos palhas do UFC
Hélio Rodrigues

A polonesa Joanna Jedrzejczyk derrotou a americana Jessica Penne neste sábado, no UFC Berlim, e manteve o cinturão dos pesos palhas do Ultimate. A vitória aconteceu por nocaute técnico, a menos de um minuto do fim do terceiro round.

Com o feito, Joanna chegou à décima vitória na carreira e mantém a invencibilidade no MMA.



20/06/2015 01h58

Patrício Pitbull vence Daniel Weichel e mantém cinturão dos penas no Bellator
Hélio Rodrigues

Foto: BellatorO brasileiro Patrício Pitbull nocauteou o alemão Daniel Weichel neste sábado pelo Bellator 138 e manteve o cinturão dos penas da organização. A vitória foi conquistada com dificuldade por Pitbull, que enfrentou um adversário agressivo e versátil, de maior envergadura e 13 centímetros mais alto.

No primeiro round, Weichel partiu para cima do brasileiro e levou a melhor na trocação durante quase todo o período. Nos últimos segundos, o alemão prensou o campeão contra a grade, encurtou a distância e encaixou uma sequência de golpes que desnortearam Pitbull, que, por sorte, foi salvo pelo fim do assalto. Weichel achava ter vencido e até esboçou uma tímida comemoração, mas teve a alegria interrompida por Big John McCarthy.

O início do segundo round parecia uma continuação do primeiro. O desafiante ao cinturão dos penas mostrava gás e surpreendia o brasileiro com trocação afiada e socos potentes. Pitbull, contudo, tirou um coelho da cartola e mostrou por que é chamado de "o Mike Tyson dos penas". Mais uma vez encurralado, o campeão desferiu um cruzado potente que atingiu em cheio o alemão.

Esta foi a segunda defesa de título de Pitbull, que anteriormente já havia derrotado o americano Daniel Straus com um mata-leão no quarto round. Agora, o campeão tem um cartel de 24 vitórias e apenas duas derrotas no MMA.

Kimbo Slice derrota lenda Ken Shamrock, de 51 anos

No evento principal, Kimbo Slice - que é mais famoso pelos vídeos em que aparece brigando com outros homens na rua - venceu a lenda Ken Shamrock, de 51 anos, por nocaute ainda no primeiro round em luta-exibição com peso combinado. Os dois não lutavam havia cinco anos.

Logo após o início do combate, Shamrock tentou jogar Kimbo - que tem mínimo conhecimento de chão - para baixo. O veterano lutador conseguiu ir às costas do oponente, pôs os ganchos e deixou o mata-leão pronto. Mas a idade e o consequente cansaço pesaram e Kimbo se desvencilhou. Um pouco depois, este colocou um gancho que derrubou Shamrock e decretou o fim da luta.



17/06/2015 20h44

Conor McGregor é fanfarrão. Mas tem talento
Hélio Rodrigues

Conor McGregor fala muita besteira e provavelmente não será capaz de colocar em prática metade do que tem prometido a José Aldo no duelo entre os dois, marcado para o dia 11 de julho, pelo UFC 189. De qualquer maneira, o brasileiro, detentor do cinturão dos penas do Ultimate, precisa ter cuidado para, além de não cair no jogo de provocações do irlandês, não ser surpreendido pela versatilidade de Notorious - apelido este que se encaixa bem à fanfarronice do atleta.

Com 17 vitórias e duas derrotas no cartel e cinco lutas pelo UFC, o desafiante ao título, de 26 anos, terá como principal estratégia para derrotar Aldo o jogo em pé. No Ultimate, cerca de 58% dos ataques de McGregor são feitos na trocação. Os outros 42% dos golpes são decorrentes de quedas e o chão - enquanto Aldo é faixa preta de jiu-jitsu, o irlandês é faixa roxa da arte suave.

Ao todo, McGregor já tentou 385 golpes no UFC, acertando 43%, o equivalente a 165. Desses, 120 foram bem-sucedidos (73%). Foram ainda seis tentativas de queda, com cinco delas sendo bem executadas.

Na carreira, 12 das vitórias do irlandês foram por nocaute e uma por finalização. Dez dos feitos dele foram obtidos no primeiro round. O Notorious, que tem 1,75m e 65kg, vem de uma sequência impressionante de 10 vitórias consecutivas,

Ainda assim vejo José Aldo com clara favoritismo para a disputa. Quem o viu treinar diz que ele está mais preparado do que jamais esteve para outra luta. Colocá-lo-ia com 75% de chances diante de 25% do oponente.

Concreto mesmo neste cenário de certezas incertas é que a disputa do cinturão promete.

E você, aposta em quem?



15/06/2015 13h10

UFC divulga mais um vídeo promocional da luta entre Aldo e McGregor
Hélio Rodrigues

O UFC está apostando alto na promoção da luta entre José Aldo e Conor McGregor, pelo título dos penas da entidade. No último domingo, 15/6, a organização divulgou mais um vídeo promocional do duelo, programado para o dia 11 de julho, pelo UFC 189.

Confira abaixo:



14/06/2015 01h45

Werdum finaliza Velasquez e unifica títulos dos pesos pesados do UFC
Hélio Rodrigues

O UFC tem um novo campeão dos pesos pesados. Fabricio "Vai Cavalo" Werdum finalizou Cain Velasquez na madrugada deste domingo e unificou o cinturão da categoria. A luta foi decidida na especialidade do brasileiro, o jiu-jitsu, com uma guilhotina no terceiro round.

Com a vitória, o Brasil tem agora três títulos lineares no Ultimate. Os outros dois são o dos penas, com José Aldo, e dos leves, com Rafael dos Anjos.

A luta entre Werdum e Velasquez era esperada desde o ano passado. Velasquez, porém, rompeu o menisco, em outubro de 2014, e acabou adiando o duelo de ambos.

Queridos dos mexicanos, os atletas entraram no octógono sentindo-se em casa. Logo nos primeiros segundos, o americano foi para cima do brasileiro, buscando a nona vitória no primeiro round. Mas Werdum estava preparado para a luta em pé e no chão. A estratégia do anfitrião era levar o desafiante para a grade e prensá-lo de forma a golpeá-lo com o dirty boxing que lhe é característico - tal qual contra Junior Cigano. Werdum não circulava - o que era um erro àquela altura -, mas travava as ações de Velasquez o clinchando e desferindo perigosas joelhadas. Ao fim do assalto, vitória por 10 a 9 do, naquele momento, campeão.

No segundo a round, o cenário começou a se inverter e o equilíbrio apareceu no octógono. Velasquez tentava chutes baixos em Werdum, que respondia com sequências de jabs e diretos, desestabilizando o oponente de tal maneira que se passava a impressão de que a queda do império de Velasquez era questão de tempo. O cansaço ganhava o próprio protagonismo nesse momento do assalto. O mexicano sentia claramente a falta de ritmo - ele não lutava há mais de um ano e meio - e a perda da potência dos golpes devido ao cansaço. No fim do round, 10 a 9 claro para Werdum, que empatava o duelo em 19 a 19.

O último e decisivo assalto começou com a desconfiança dos médicos quanto à integridade de Velasquez. Mas a luta continuou. Desnorteado e abandonando a estratégia de não ir para o chão com o rival, Cain Velasquez colocou em jogo o lado wrestling, derrubando Werdum. O anfitrião, no entanto, esqueceu um detalhe fundamental quando se luta contra um lutador de jiu-jitsu: não oferecer o pescoço sob hipótese alguma. Foi assim que "Vai Cavalo" encaixou uma guilhotina em Velasquez, que não resistiu e bateu.

E mais um título para o Brasil! Vai, Cavalo!



24/05/2015 01h32

Ainda campeão dos meio-pesados: Cormier finaliza Johnson no UFC
Hélio Rodrigues

No contexto geral, foi uma luta amarrada. Mas Daniel Cormier mostrou por que era o campeão dos meio-pesados do Ultimate, e manteve o título ao finalizar, neste domingo, o desafiante Anthony Rumble Johnson, pelo UFC 187.

O duelo começou com Anthony Johnson partindo para a trocação. Cormier, porém, queria a luta agarrada: o Wrestling é especialidade dele. Em determinado momento, Cormier colocou Johnson contra a grade,o mantendo ali praticamente até o fim do round. Em minha opinião, ganhou por 10 a 9, devido ao maior controle contra o rival em maior parte do tempo.

No segundo round, a estratégia se repetiu, e Cormier mais uma vez amarrou o combate. Tentou a finalização em alguns momentos, com uma kimura, mas não conseguiu executá-la com a perfeição necessária para que o rival batesse. Vaias foram ouvidas. E, na conclusão do período, Rumble estava duramente castigado.

No terceiro round, Anthony Johnson estava decidido a mudar o rumo da luta. Já cansado, ele foi para cima e tentou, com socos, desnortear o oponente. Mas escorregou, foi pra baixo. Era o que cormier queria para amarrar a luta. O campeão foi para as costas de Rumble e conseguiu o estrangulamento.



24/05/2015 00h53

Weidman vence Belfort e se mantém como detentor do cinturão dos médios do UFC
Hélio Rodrigues

Tudo foi resolvido no primeiro round. Chris Weidman continua como campeão dos pesos médios do UFC. Nesta madrugada de domingo, o americano venceu Vitor Belfort por nocaute técnico no co-main event do UFC 187 e pediu o fim das críticas à capacidade dele dentro do Ultimate.

A luta, esperada desde o ano passado pelos fãs de MMA, começou com estudo dos dois lutadores. O primeiro a tentar alguma coisa foi Chris Weidman, que arriscou um chute alto. O campeão dominava o centro do octógono, enquanto Belfort tentava encontrar a distância correta para golpear.

Em seguida, Weidman tentou derrubar o rival, que contragolpeou e iniciou uma sequência de socos e uppercuts que abriram um corte no supercílio do americano. Na trocação franca, Belfort parecia irrepreensível. A maioria dos golpes dele entravam.

Weidman resistiu bravamente, porém. E, pondo uma estratégia prevista para o duelo, colocou Belfort para baixo, pondo em jogo o jiu-jítsu atestado pelo recebimento, recentemente, da faixa preta por Renzo Gracie. O desafiante estava claramente atordoado, especialmente com os potentes golpes de cima para baixo de Weidman, que entravam e, aos poucos, minavam o Fenômeno.

Dito e feito. Depois de incontáveis socos de cima para baixo, Herb Dean, o árbitro da luta, interrompeu o combate, declarando Chris Weidman como vencedor e ainda detentor do cinturão dos médios do Ultimate.

Esta foi a segunda defesa de cinturão de Weidman e a terceira vitória seguida sobre um brasileiro: o primeiro a ser derrotado foi Anderson Silva, duas vezes; depois, Lyoto Machida sucumbiu; e agora, Vitor Belfort.

Jacaré pode ser o próximo desafiante. É bom que ele tenha cuidado e não subestime, de nenhuma maneira, o americano.

Leia também

- Ainda campeão dos meio-pesados: Cormier finaliza Johnson no UFC


1 Comentários | Clique aqui para comentar

15/05/2015 21h42

A luta do século
Hélio Rodrigues

O boxe continua vivo, apesar do crescimento impressionante do MMA na última década. A luta entre Floyd Mayweather e Manny Pacquiao foi assistida por milhões de pessoas ao redor do mundo e gerou uma receita de US$ 400 milhões de dólares. Houve ainda uma audiência online traduzida em 115 milhões de postagens sobre o duelo, programado desde 2009.

Mayweather venceu, polemicamente, já que durante os 12 rounds, equilíbrio foi o que resumiu a luta. Contudo, os árbitros não viram assim, e deram a vitória, por unanimidade, ao americano, que agora acumula 47 vitórias na carreira; nenhuma derrota.



06/05/2015 22h01

UFC 186: Johnson campeão e retorno difícil para Rampage
Hélio Rodrigues

Seis defesas de cinturão e Demetrious Johnson continua sendo o campeão dos moscas do UFC. Foi por pouco, mas o americano conseguiu vencer a luta no último segundo ao finalizar o japonês Kyoji Horiguchi com uma chave de braço, pelo UFC 186.  

Outro destaque foi o retorno de Quinton Rampage Jackson ao Ultimate após dois anos fora. Em eletrizante combate contra o guerreiro Fabio Maldonado, o americano tentou de todas as formas o nocaute. Mas qualquer um que lutar contra o brasileiro terá que bater muito mais que o necessário para vencê-lo. No fim das contas, superior em todo o duelo, Rampage venceu por decisão unânime dos jurados.

Veja outros resultados

  • Rampage Jackson venceu Fábio Maldonado por decisão unânime
  • Michael Bisping venceu C.B. Dollaway por decisão unânime
  • John Makdessi venceu Shane Campbell por nocaute técnico
  • Thomas Almeida venceu Yves Jabouin por nocaute técnico
  • Patrick Cote venceu Joe Riggs por decisão unânime
  • Alexis Davis vence Sarah Kaufman por finalização
  • Chad Laprise venceu Bryan Barberena decisão unânime
  • Olivier Aubin-Mercier venceu David Michaud por finalização
  • Nordine Taleb venceu Chris Clements por decisão unânime
  • Valerie Letourneau venceu Jessica Rakoczy por decisão unânime
  • Randa Markos venceu Aisling Daly por decisão unânime



12/04/2015 00h12

Conor e Aldo: originalidade e destemperamento
Hélio Rodrigues

Conor McGregor e José Aldo têm promovido muito bem a luta entre os dois, que acontecerá dia 11 de julho. Confesso que as provocações do irlandês mostram que ele está disposto a aparecer, tal qual fez Chael Sonnen na época que estava promovendo o duelo contra Anderson Silva.

Cabe à equipe de José Aldo, porém, trabalhar, além da parte técnica, a psicológica. As provocações e gracinhas de McGregor mostram já surtir efeito no brasileiro, que cada vez mais mostra irritação com isso.

Não é bom ter raiva, apesar da real dificuldade em evitá-la em momentos como os protagonizados pelos dois no último 31 de março, quando o irlandês, numa coletiva, roubou o cinturão do brasileiro. Qual será a próxima peripécia?

Antes de mais nada, deve-se haver concentração, em prol de uma boa performance de Aldo no octógono. Cair no jogo de provocações não é a melhor opção - nem nunca será.

Recentemente, a lenda Royce Gracie criticou duramente o desafiante ao cinturão dos penas, afirmando que o irlandês "estava abusando". Na verdade, ele só quer garantir mais dinheiro na bolsa - e mais fama.

 



23/03/2015 20h00

O surpreendente Rafael dos Anjos
Hélio Rodrigues

Rafael dos Anjos não é tão conhecido como José Aldo, Anderson Silva ou Junior Cigano aqui no Brasil. Contudo, o mais novo campeão dos leves do UFC é atualmente o principal nome do MMA brasileiro dentro do Ultimate.

Apostei que Dos Anjos tinha alguma chance contra Anthony Pettis. Porém, confesso que a vitória com superioridade esmagadora sobre o americano surpreendeu. Não pela capacidade acima da média demonstrada por ele durante cinco rounds - caminhando sempre pra frente e procurando combate a todo o tempo. Mas porque, inegavelmente, ninguém esperava que o até então detentor do cinturão demonstrasse abatimento tal que o deixaria irreconhecível contra o brasileiro, sobretudo após o derrotado vir de quatro excelentes vitórias no Ultimate.

"Não imaginava que ninguém pudesse dominar Anthony Pettis e acho que ninguém aqui imaginaria isso. Rafael surpreendeu a todos quando nocauteou Ben Henderson. Depois atropelou Nate Diaz. E hoje dominou Anthony Pettis de todos os jeitos possíveis. O que ele fez hoje foi inacreditável", disse Dana White.

Rafael dos Anjos está em alta com o chefe. Aguardemos pelos próximos desafios.


1 Comentários | Clique aqui para comentar

04/02/2015 18h20

Doping é decepção para quem era referência no MMA
Hélio Rodrigues

O doping de Anderson Silva e Nick Diaz cai como uma luva para aqueles que são ferrenhos críticos do Mixed Martial Arts. Ora, como o principal lutador brasileiro dá um exemplo desses para a garotada que passou a amar o esporte devido a nomes como o dele, de Wanderlei Silva, Vitor Belfort e de Minotauro?

A decepção existe e vai ao encontro da prepotência que o Aranha mostrou durante muitos anos no UFC. Não que seja, mas o uso de metabólitos de drostanolona e androsterona tira boa parte do mérito da vitória dele contra Nick Diaz.

Diaz, por sua vez, não deixa por menos. É a terceira vez que é pego no exame antidoping.

A afirmação de que "ninguém está puro", dada por alguns lutadores do Ultimate após o teste de Anderson e Diaz dar positivo, somada aos recentes dopings de lutadores como Jon Jones e Chael Sonnen, nunca fez tanto sentido.


2 Comentários | Clique aqui para comentar

28/01/2015 05h30

A volta de Anderson Silva
Hélio Rodrigues

A publicidade em torno da volta de Anderson Silva aos octógonos - após um ano e um mês em recuperação após ter quebrado a tíbia - tem rendido bons lucros ao UFC. O brasileiro, que enfrenta o americano Nick Diaz, no próximo sábado, no MGM Grand Garden Arena, foi e é tratado como estrela de cinema pelos americanos, que souberam bem explorar a imagem do ex-detentor do cinturão dos médios. Silva gravou vídeos, deu entrevistas, estrelou cartazes... Além disso, a luta entre o brasileiro - de quem não sou fã - e o anfitrião promete, até sábado, excelentes números em relação à venda de pay per view e possíveis novos patrocínios que venham a surgir em caráter de exceção.

A luta de sábado será um recomeço. Para ele e para Diaz, que retorna após uma rápida aposentadoria. É a chance dos dois tentarem se readaptar ao octógono e à dinâmica das artes marciais mistas.

O evento em si não traz grandes nomes do UFC. Mas promete ser agitado. Pelo que gira em torno do Spider. E pelos lutadores menos conhecidos, que, se for preciso, darão sangue para mostrar quem são.