SRZD



Ana Carolina Garcia

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



19/09/2014 00h22

Circuito Universitário de Cinema estreia na PUC-Rio
Ana Carolina Garcia

O Circuito Universitário de Cinema terá início na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro na próxima quinta-feira, dia 25, às 9h. A mostra também acontece em outras instituições de ensino em todo o país e conta com exibições de três documentários, seguidas de debates sobre os temas abordados, com a participação de acadêmicos, pesquisadores, pessoas de movimentos sociais e culturais, além dos diretores ou produtores dos filmes.

Na PUC-Rio, o documentário de abertura é "70 - Setenta", dirigido por Emilia Silveira e roteirizado por Sandra Moreyra, que reencontra 18 dos 70 presos políticos libertos em troca do embaixador suíço Giovanni Enrico Burcher, na época da ditadura militar.

Os outros dois documentários que fazem parte do Circuito Universitário de Cinema também abordam ditaduras na América Latina e suas consequências. São eles: "500 - Os Bebês Roubados pela Ditadura Argentina" e "Duas Histórias", dirigidos por Alexandre Valenti e Angela Zoe, respectivamente - verifique a programação do evento no site da universidade.

Serviço da abertura do Circuito Universitário de Cinema:

Filme: "70 - Setenta".

Data: 25/09 às 9h.

Local: PUC-Rio.

Endereço: R. Marquês de São Vicente, 225 / Casa XV - Gávea.

Debatedores: Rosane Hatab, produtora; Sandra Moreyra, jornalista e roteirista do filme; Chico Mendes, ex-preso político e personagem de "70 - Setenta".

Mediador: Prof. João Ricardo Dornelles, Membro da Comissão Nacional da Verdade, Integrante do Núcleo de Direitos Humanos da PUC e professor do Curso de Direito.

Entrada gratuita.



18/09/2014 23h35

Festival do Rio 2014: 'À Queima Roupa' faz campanha para ajudar no lançamento
Ana Carolina Garcia

O Festival do Rio começa na próxima quarta-feira, dia 24, e sua programação tem chamado bastante atenção, não apenas pelas grandes produções estrangeiras, mas pelas que competem na mostra principal, entre elas, o documentário "À Queima Roupa", um dos selecionados da Première Brasil: Competição de Documentários - Longas.

Foto: Divulgação

Com produção, roteiro e direção de Theresa Jessouroun, o longa levou três anos para ser concluído e conta com uma campanha de arrecadação de fundos (crowdfunding) para ajudar o lançamento nos cinemas após o término do evento, bem como promover uma campanha online para estimular a denúncia de atos de violência contra a população, através do site da Catarse, maior comunidade de financiamento coletivo do Brasil - até o próximo dia 27, Jessouroun espera arrecadar R$ 60 mil.

"Queremos que mais pessoas possam conhecer a verdade sobre a violência que afeta, principalmente, a parcela mais carente da população, instigando o debate e estimulando as denúncias. Traçamos um paralelo das execuções cometidas por policiais militares a partir da chacina de Vigário Geral em 1993, reunindo entrevistas de pessoas diretamente envolvidas nos casos, desde sobreviventes até juízes", explica a diretora.

Com direção de fotografia do renomado Walter Carvalho, "À Queima Roupa" será exibido durante o Festival e tem lançamento comercial previsto para 16 de outubro no Rio de Janeiro e 13 de novembro em São Paulo.

Leia também:

- Festival do Rio: passaportes já estão à venda



18/09/2014 03h09

Globo de Ouro 2015: George Clooney receberá prêmio pelo conjunto da obra
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoA Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (Hollywood Foreign Press Association - HFPA) anunciou esta semana que George Clooney receberá o Cecil B. DeMille Award, prêmio especial concedido a profissionais renomados pelo conjunto de sua obra, na cerimônia de entrega do Globo de Ouro 2015.

Ator, diretor, roteirista e produtor, Clooney recebeu sua primeira indicação ao Globo de Ouro em 1996, por seu trabalho como o Dr. Doug Ross no seriado de TV "Plantão Médico" (E.R. - 1994 - 2009), na categoria de melhor ator em série dramática - feito repetido nos dois anos seguintes.

No entanto, foi o cinema que lhe rendeu seu primeiro Globo de Ouro, na categoria de melhor ator em filme - comédia/musical por "E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?" (O Brother, Where Art Thou? - 2000), dos irmãos Joel e Ethan Coen. Seus outros prêmios foram nas categorias de melhor ator coadjuvante e ator em filme - drama por "Syriana - A Indústria do Petróleo" (Syriana - 2005) e "Os Descendentes" (The Descendants - 2011), respectivamente.

Mesmo aclamado como diretor, um dos melhores da atualidade, Clooney nunca venceu o Globo de Ouro nesta categoria. Dentre os cinco filmes que dirigiu, está a obra-prima "Boa Noite, e Boa Sorte" (Good Night, and Good Luck - 2005), que lhe rendeu uma indicação ao prêmio concedido pela HFPA.

A 72a cerimônia de entrega do Globo de Ouro será realizada no dia 11 de janeiro no The Beverly Hilton Hotel em Los Angeles.



12/09/2014 02h09

'Sharknado 2: A Segunda Onda': O desastre que deu certo
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoNo ano passado, "Sharknado" (Idem - 2013), filme produzido diretamente para a televisão, chamou a atenção do público e seu sucesso estrondoso deu origem à franquia mais tosca de todos os tempos. Há pouco mais de um mês, sua sequência estreou no canal por assinatura SyFy e vem repetindo a bem sucedida trajetória de seu antecessor. "Sharknado 2: A Segunda Onda" (Sharknado 2: The Second One - 2014) já foi reprisado algumas vezes e tive a oportunidade de assisti-lo em uma dessas reprises. Mas, por total falta de tempo, só pude escrever a minha resenha agora.

O que observei ao longo de uma hora e meia é que, como diz o velho ditado, "em time que está ganhando não se mexe", todos os elementos que transformaram "Sharknado" em um grande fenômeno foram mantidos neste novo filme e, assim como o telefilme original, "Sharknado 2: A Segunda Onda" tem recursos limitados, o que se reflete diretamente no que está sendo apresentado na telinha. Ou seja, mesmo com um orçamento maior, se comparado ao primeiro, o longa continua desastroso em tudo.

Porém, neste caso específico, o desastre é benéfico, pois é nele que consiste o sucesso de uma produção classificada como horror, suspense e ficção-científica, que nada mais é do que uma comédia surreal com direito a uma sequência de acidente aéreo causado pela formação dos tornados de tubarões; na qual, o eterno Steve Sanders de "Barrados no Baile" (Beverly Hills 90210, 1990 - 2000), Ian Ziering (Fin Shepard), banca o herói atormentado pelo trauma causado pelos eventos ambientados em Los Angeles no primeiro filme.

Na trama, o temido tornado de tubarões famintos se forma em Nova York, devastando a cidade e causando pânico em toda a população, despreparada para enfrentar a catástrofe. E o único com experiência no assunto é Fin, que ataca os tubarões com bombas e sua memorável serra elétrica, numa tentativa desesperada de salvar a Big Apple. Tudo isso contado através de um roteiro horroroso...

Os efeitos visuais e sonoros estão melhores, mas isto não significa que sejam bons. Pelo contrário, continuam grotescos. E é este o motivo de tanto sucesso, na minha opinião. O fã desta franquia e de tantas outras produções do SyFy não está à procura de obras primorosas, repletas de efeitos espetaculares. Essa fatia do público quer relaxar em frente à TV e se divertir com situações inverossímeis e totalmente esdrúxulas - o que pode ser bom de vez em quando, desde que se tenha plena consciência do que irá assistir.

Dirigido por Anthony C. Ferrante, o longa conta com atuações risíveis de Ziering e companhia, principalmente de Tara Reid (April Wexler), ainda apática em cena - a atriz aproveitou o sucesso para lançar um perfume inspirado na série, "Shark by Tara Reid". Os coadjuvantes também estão péssimos e o Framboesa de Ouro poderia ir direto para as estantes de Vivica A. Fox (Skye) e Mark McGrath (Martin Brody), vocalista da banda Sugar Ray. Os dois estão terríveis em cena e são ofuscados por todos os tubarões, mesmo os mais bizarros.

No entanto, o sucesso da franquia atraiu famosos que aceitaram trabalhar como figurantes de luxo nesta produção, alguns deles bastante respeitados pelo público americano, como Matt Lauer, jornalista e âncora do "Today Show" (Idem - desde 1952), como ele mesmo, noticiando o avanço do tornado em Nova York. Entre os outros nomes famosos que nos concedem boas risadas, estão Kelly Osbourne (comissária de bordo e fã de Fin), Perez Hilton (passageiro) e Kelly Ripa (como ela mesma).

"Sharknado 2: A Segunda Onda" é muito, muito tosco! Essa produção é tão desastrosa que se torna engraçada, pois soube se aproveitar de sua bizarrice para conquistar o público numa velocidade absurda; tanto que o SyFy já confirmou o próximo longa da franquia, "Sharknado 3", previsto para estrear em 2015.

Assista ao vídeo do elenco na Comic-Con 2014 (sem legendas):



12/09/2014 02h02

Confira o trailer de 'Boyhood - Da Infância à Juventude'
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoA Universal Pictures divulgou o trailer de "Boyhood - Da Infância à Juventude" (Boyhood - 2014), que entra em cartaz nos cinemas brasileiros em 30 de outubro.

Com direção e roteiro de Richard Linklater, o longa tem uma premissa interessante: acompanhar o crescimento de um menino durante 12 anos, mostrando seu relacionamento com os pais divorciados, interpretados por Patricia Arquette e Ethan Hawke, com quem Linklater trabalhou em "Antes do Amanhecer" (Before Sunrise - 1995), "Antes do Pôr do Sol" (Before Sunset - 2004) e "Antes da Meia-Noite" (Before Midnight - 2013).

Com orçamento estimado em US$ 2,4 milhões, a produção foi rodada ao longo de 12 anos e com o mesmo ator no papel de Mason, Ellar Coltrane, hoje com 20 anos de idade. Para isso, o elenco se encontrava uma vez por ano para rodar as cenas daquele período determinado, aproveitando não apenas o crescimento de Coltrane como também o envelhecimento de Arquette e Hawke.

"Boyhood - Da Infância à Juventude" já venceu alguns prêmios internacionais, entre eles o Urso de Prata de melhor direção no Festival de Berlim 2014.

Assista ao trailer oficial legendado:



12/09/2014 01h57

'Corações de Ferro': Filme de Brad Pitt ganha novo trailer
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoA Sony Pictures divulgou o trailer do novo filme de Brad Pitt, "Corações de Ferro" (Fury - 2014), previsto para estrear no Brasil em 05 de fevereiro de 2015.

Com direção e roteiro de David Ayer, o longa conta a história de Wardaddy (Pitt), sargento do Exército Americano que recebe a missão de atacar nazistas em território alemão no final da Segunda Guerra Mundial, enquanto os Aliados fazem sua incursão final na guerra. Com apenas cinco homens, pouco armamento e lidando com um soldado novato em seu esquadrão, Wardaddy encara inúmeras adversidades em suas tentativas heróicas de atacar o coração da Alemanha nazista.

Com orçamento estimado em US$ 80 milhões e rodado no Reino Unido, "Corações de Ferro" é a primeira produção de época da carreira de Ayer e tem em seu elenco Logan Lerman, Shia LaBeouf, Michael Peña, Scott Eastwood, Jason Isaacs, Xavier Samuel, entre outros.

Confira algumas fotos oficiais:

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Assista ao trailer oficial legendado:



04/09/2014 01h48

Dica: 'Anjos da Lei 2'
Ana Carolina Garcia

Sabe aquele clichê "foram feitos um para o outro"? Pois bem, no que diz respeito a filmes de comédia, pode-se dizer que Jonah Hill e Channing Tatum se completam! E isso pode ser comprovado no divertidíssimo "Anjos da Lei 2" (22 Jump Street - 2014), que entra em cartaz nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, dia 04.

Foto: Divulgação

A dupla está impagável em todas as cenas, especialmente nas que exploram o seu relacionamento e as crises de ciúmes de Schmidt (Hill), que se sente excluído por Jenko (Tatum) desde que ele entrou para o time de futebol da universidade e se tornou amigo de um dos jogadores, Zook (Whyatt Russell).

Com direção de Phil Lord e Chris Miller, "Anjos da Lei 2" é um filme despretensioso, repleto de piadas ácidas e referências a seu antecessor, "Anjos da Lei" (21 Jump Street - 2012), ao qual supera em tudo, sem perder o ritmo em nenhum momento. É, sem dúvida alguma, um dos longas-metragens mais divertidos do ano.

Então, fica a dica: assista "Anjos da Lei 2"!

Leia também:

- Crítica - 'Anjos da Lei 2': gargalhadas garantidas!

Assista ao trailer oficial legendado:



03/09/2014 01h50

Festival do Rio 2014: Confira a lista de selecionados da Première Brasil
Ana Carolina Garcia

A organização do Festival do Rio divulgou a lista de filmes selecionados para a Première Brasil. Ao todo, são 69 produções, sendo 41 longas e 28 curtas-metragens, de diretores veteranos e estreantes de diversos estados.

A escolha dos premiados será realizada pelo Júri Oficial, composto por especialistas na arte cinematográfica, brasileiros e estrangeiros, convidados pela direção do Festival. Contudo, o público também votar nas categorias de melhor filme de ficção, documentário e curta-metragem.

O Festival do Rio 2014 será realizado entre os dias 24 de setembro e 08 de outubro.

Selecionados da Première Brasil:

MOSTRA COMPETITIVA:

- Longas - Ficção :

"Ausência", de Chico Teixeira, 84' WP (SP)

"Casa Grande", de Fellipe Barbosa, 115' (RJ)

"Love Film Festival", de Manuela Dias, 100' WP (RJ)

"O Fim de Uma Era", de Bruno Safadi e Ricardo Pretti 73' WP (RJ)

"O Fim e os Meios", de Murilo Salles, 105' WP (RJ)

"O Outro Lado do Paraíso", de André Ristum, 100' WP (SP)

"Último Cine Drive-in", de Iberê Carvalho, 98' WP (DF)

"Obra", de Gregorio Graziosi, 80' (SP)

"Prometo um Dia Deixar Essa Cidade", de Daniel Aragão Brasil, 90' WP (PE)

"Sangue Azul", de Lírio Ferreira, 114' (SP)

- Longas - Documentário:

"À Queima Roupa", de Theresa Jessouroun, 90' WP (RJ)

"A Vida Privada dos Hipopótamos", de Maíra Bühler e Matias Mariani, 91' (SP)

"Campo de Jogo", de Eryk Rocha, 71' WP (RJ)

"Esse Viver Ninguém me Tira", de Caco Ciocler, 72' (DF)

"Favela Gay", de Rodrigo Felha, 71' WP (RJ)

"Meia Hora e as Manchetes que Viram Manchete", de Angelo Defanti, 81' WP (RJ)

"My Name is Now", Elza Soares, de Elizabete Martins Campos, 71' WP (MG)

"O Estopim", de Rodrigo Mac Niven, 87' WP (RJ)

"Porque Temos Esperança", de Susanna Lira, 71' WP (RJ)

"Samba & Jazz", de Jefferson Mello, 90' (RJ)

- Curtas:

"Cine Paissandu: Histórias de uma Geração", de Christian Jafas, 15' (RJ) - DOC

"E o amor foi se tornando cada dia mais distante", de Alexander de Moraes, 9', (RJ) - DOC

"Mater Dolorosa", de Tamur Aimara e Daniel Caetano, 12' (RJ) - DOC

"Cloro", de Marcelo Grabowsky, 15' (RJ) - FIC

"Barqueiro", de José Menezes e Lucas Justiniano, 15' (SP) - FIC

"Outono", de Anna Azevedo, 12' (RJ) - FIC

"O Clube", de Allan Ribeiro, 15' (RJ) - FIC

"Edifício Tatuapé Mahal", de Carolina Markowicz e Fernanda Salloum, 9' (SP) - FIC

"Menino da Gamboa", de Pedro Perazzo e Rodrigo Luna, 14' (BA) - FIC

"Diário de Novas Lembranças", de João Pedro Oct, 13' (SP) - FIC

"História Natural", de Julio Cavani, 12' (PE) - FIC

"The Yellow Generation", de Daniel Sake 7' (RJ) -FIC

"Kyoto", de Deborah Viegas, 8' (SP) - FIC

"Loja de Répteis", de Pedro Severien, 15' (PE) - FIC

"Max Uber", de Andre Amparo, 15' (MG) - FIC

"Sem Título # 1: Dance of Leitfossil", de Carlos Adriano, 6' (SP) - DOC

Mostra Novos Rumos:

- Longas:

"A Revolução do Ano", de Diogo Faggiano, 76' WP (SP)

"Castanha", de Davi Pretto, 95' (RS)

"Deserto Azul", de Eder Santos, 94' WP (MG)

"Hamlet", de Cristiano Burlan, 90' WP (SP)

"Permanência", de Leonardo Lacca, 85' WP (PE)

"Seewatchlook o que você vê quando olha o que enxerga?", de Michel Melamed, 79' WP (RJ)

"Tudo vai ficar da cor que você quiser", de Letícia Simões, 75' WP (RJ)

- Curtas:

"A Deusa Branca", de Alfeu França, 30' (RJ) - DOC

"Indícios 3 - quanto tempo a gente precisa ficar andando no mesmo lugar para dar um passo", de Dannon Lacerda, 12' (RJ) - FIC

"La Llamada", de Gustavo Vinagre, 19' (SP) - DOC

"O Bom Comportamento", de Eva Randolph, 20' (RJ) - FIC

"O Rei", de Larissa Figueiredo, 25' (PR) - DOC

"Tenho um dragão que mora comigo", de Wislan Esmeraldo, 17' (CE) - FIC

FILMES FORA DE COMPETIÇÃO:

Mostra Hors Concours:

- Ficção - Longas:

"A Luneta do Tempo", de Alceu Valença, 97' (PE)

"Boa Sorte", de Carolina Jabor, 90' (RJ)

"El Ardor", de Pablo Fendrik, 90' (RJ)

"Infância", de Domingos Oliveira, 84' (RJ)

"Trinta", de Paulo Machline, 94' WP (SP)

- Documentário - Longas:

"Brincante", de Walter Carvalho, 92' WP (SP)

"Cássia", de Paulo Henrique Fontenelle, 120' WP (RJ)

- Curtas:

"Compêndio", de Eugenio Puppo e Ricardo Carioba, 15' (SP) - FIC "

Pé sem chão", de Sérgio Ricardo, 14' (RJ) - FIC

Mostra Retratos:

- Longas:

"O Vento Lá Fora", de Marcio Debellian, 62' WP (RJ)

"De Gravata e Unha Vermelha", de Miriam Chnaiderman, 86' (SP)

"Guardiões do Samba", de Eric e Marc Belhassen, 81' WP (SP)

"Ídolo", de Ricardo Calvet, 103' WP (RJ)

"Para Sempre Teu Caio F.", de Cande Salles , 90' WP (RJ)

- Curtas:

"Andrea Tonacci", de Rodrigo Grota, 25' (PR)- DOC

"Araca - O Samba em Pessoa", de Aleques Eiterer, 20' (RJ) - DOC

"Caetana", de Felipe Nepomuceno, 15' (RJ) - DOC

"Nora", de Gabriel Mendes e Fernando Munõz , 7' (RJ) - DOC

 



30/08/2014 00h58

'Birdman' abre o Festival de Veneza 2014
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoO Festival de Veneza começou na última quarta-feira, dia 27, e o filme de abertura do evento foi "Birdman" (Idem - 2014), dirigido por Alejandro González Iñárritu e protagonizado por Michael Keaton.

No longa que concorre ao Leão de Ouro, Keaton interpreta Riggan Thomson, ator que viveu momentos de glória ao interpretar o super-herói Birdman, mas que amargou a decadência após se recusar a estrelar o quarto filme do herói. Na tentativa de recuperar o prestígio e a fama do passado, Thomson decide se aventurar nos palcos da Broadway, trabalhando como diretor, roteirista e a estrela principal da peça.

A trama lembra um pouco a trajetória profissional de Michael Keaton, que deu vida a Bruce Wayne / Batman em "Batman" (Idem - 1989) e "Batman - O Retorno" (Batman Returns - 1992), ambos dirigidos por Tim Burton. Profissional versátil e competente, Keaton não desapontou em cena, mesmo enfrentando a pressão dos fãs do personagem, que o rejeitaram no momento em que seu nome foi confirmado no projeto - assim como está acontecendo com Ben Affleck.

Como disse num especial aqui do blog na época em que "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge" (The Dark Knight Rises - 2012) foi lançado, Keaton afirmou em entrevista que não ficou muito satisfeito com o resultado de "Batman - O Retorno" e que sabia que a equipe enfrentaria problemas durante as negociações para o terceiro longa da franquia. Depois de algumas desavenças e boatos, o ator abandonou o projeto de "Batman Eternamente" (Batman Forever - 1995), sendo substituído por Val Kilmer. Há alguns anos, Michael Keaton disse: "Não gostei do terceiro script ("Batman Eternamente"). Eu apenas disse: 'Realmente não gosto disso, e eu não quero fazê-lo'. Assisti por 10 minutos e vi o suficiente para saber que tinha tomado a decisão certa".

Coincidência ou não, Michael Keaton viu sua carreira decair após sua recusa em permanecer na franquia "Batman", participando de projetos medianos nos anos seguintes - salvo algumas exceções. Sua situação só começou a mudar recentemente e, considerando as cenas apresentadas no trailer oficial, "Birdman" pode ser sua chance de voltar ao primeiro time de Hollywood em grande estilo, ainda mais com a continuação de "Os Fantasmas se Divertem" (Beetlejuice - 1988) a caminho.

"Birdman" deve estrear nos cinemas brasileiros em 22 de janeiro de 2015.

A cerimônia de encerramento do Festival de Veneza 2014 será realizada no próximo sábado, dia 06 de setembro.

Confira os filmes selecionados para a Mostra Competitiva:

- "Birdman", de Alejandro González Iñárritu;

- "Anime Nere", de Francesco Munzi;

- "Good Kill", de Andrew Niccol;

- "The Cut", de Fatih Akin;

- "A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence", de Roy Andersson;

- "99 Homes", de Ramin Bahrani;

- "Ghesseha", de Rakhshan Bani E'Temad;

- "La Rançon de la Gloire", de Xavier Beauvois;

- "Hungry Hearts", de Saverio Costanzo;

- "Le Dernier Coup de Marteau", de Alix Delaporte;

- "Pasolini", de Abel Ferrara;

- "Manglehorn", de David Gordon Green;

- "The Postman's White Nights", de Andrei Konchalovsky;

- "Il Giovane Favoloso", de Mario Martone;

- "3 Coeurs", de Benoît Jacquot;

- "Sivas", de Kaan Müjdeci;

- "Loin des Hommes", de David Oelhoffen;

- "The Look of Silence", de Joshua Oppenheimer;

- "Red Amnesia", de Wang Xiaoshuai;

- "Fires on the Plain", de Shinya Tsukamoto.



29/08/2014 23h39

Oscar 2015: AMPAS divulga homenageados com prêmios honorários e com o Jean Hersholt Award
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoA Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood (Academy of Motion Picture Arts and Sciences - AMPAS) anunciou nesta sexta-feira, dia 28, os nomes de quatro profissionais que serão homenageados durante a cerimônia do The Governors Awards, a primeira do calendário oficial do Oscar 2015 e que será realizada em 08 de novembro deste ano no Ray Dolby Ballroom do Hollywood & Highland Center.

Durante a cerimônia, serão entregues os Oscars honorários a atriz irlandesa Maureen O?Hara, ao diretor japonês Hayao Miyazaki e ao roteirista francês Jean-Claude Carrière; e o Jean Hersholt Humanitarian Award para o ator, músico e produtor Harry Belafonte.

O Oscar honorário é entregue a profissionais que se destacaram na indústria cinematográfica ao longo dos anos, ou seja, é um prêmio pelo conjunto de sua obra; enquanto que o Jean Hersholt Humanitarian é concedido a profissionais devido a seus trabalhos humanitários. No caso de Belafonte, por ter sido um dos primeiros a apoiar o Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos, marchando ao lado de Martin Luther King, e também por seu trabalho junto a portadores do vírus HIV. Embaixador da UNICEF desde 1987, Belafonte ainda realiza trabalhos humanitários com crianças e atua no combate à fome em diversos países.

A 87ª cerimônia de entrega do Oscar será realizada em 22 de fevereiro de 2015 no Dolby Theatre em Los Angeles.

Leia também:

- AMPAS divulga data do Oscar 2015



29/08/2014 22h53

Começam as filmagens de 'Missão Impossível 5'
Ana Carolina Garcia

A Paramount Pictures e a Skydance Productions anunciaram que as filmagens de "Missão Impossível 5" (Mission: Impossible 5 - 2015) tiveram início na última segunda-feira, dia 22, em Viena (Áustria). O novo longa da franquia também será rodado em Marrakech (Marrocos) e Londres (Inglaterra).

Produzido e estrelado por Tom Cruise (Ethan Hunt), o filme tem direção de Christopher McQuarrie, que também assume a função de roteirista ao lado de Will Staples. Vencedor do Oscar de melhor roteiro original por Os Suspeitos (The Usual Suspects - 1995), McQuarrie roteirizou três filmes de Cruise: "Operação Valquíria" (Valkyrie - 2008), também na função de produtor; "Jack Reacher - O Último Tiro" (Jack Reacher - 2012), também na função de diretor; e "No Limite do Amanhã" (Edge of Tomorrow - 2014).

Contudo, não foi divulgado nenhum detalhe sobre a produção cujo roteiro ainda permanece em sigilo. Sabe-se apenas que Simon Pegg (Benji), Jeremy Renner (Brandt) e Ving Rhames (Luther) retornarão à franquia baseada na série de TV homônima dos anos de 1960; e que Alec Baldwin e Rebecca Ferguson estão confirmados no elenco, mas seus personagens ainda não tiveram seus nomes divulgados. Rumores indicam que Baldwin interpretará um diretor da CIA e que caberá a Ferguson o papel feminino central da trama.

Desde o lançamento do primeiro longa em 1996, a franquia já arrecadou mais de US$ 2 bilhões em bilheterias em todo o mundo, sendo que "Missão Impossível - Protocolo Fantasma" (Mission: Impossible - Ghost Protocol - 2011) faturou quase US$ 700 milhões e se tornou o filme de maior arrecadação da carreira de Tom Cruise.

"Missão Impossível 5" tem estreia prevista para 24 de dezembro de 2015.



28/08/2014 02h29

Mais uma temporada de clássicos na Rede Cinemark
Ana Carolina Garcia

Desde maio deste ano, a Rede Cinemark oferece em algumas de suas salas de exibição, uma programação recheada com grandes clássicos da história do cinema. A iniciativa do grupo se tornou um sucesso e entra em sua terceira temporada no dia 06 de setembro.

Desta vez, os filmes selecionados são "O Poderoso Chefão II" (The Godfather: Part II - 1974), "A Felicidade Não Se Compra" (It's a Wonderful Life - 1946), "Chinatown" (Idem - 1974), "Ghost - Do Outro Lado da Vida" (Ghost - 1990), "Nascido Para Matar" (Full Metal Jacket -1987) e "Os Caça-Fantasmas" (Ghost Busters - 1984).

Segundo a diretora de Marketing da Cinemark, Bettina Boklis, as temporadas já levaram mais de 100 mil pessoas aos cinemas. "Ficamos muito satisfeitos com a receptividade. A iniciativa tem atraído um público que vai aos cinemas para rever os seus filmes favoritos, além de jovens que têm pela primeira vez a oportunidade de ver os clássicos na tela grande. A intenção da Rede é dar continuidade ao projeto e oferecer novas temporadas", diz.

Cada filme será apresentado três vezes ao longo de uma semana, nas cidades de Aracaju, Barueri, Belo Horizonte, Betim, Brasília, Campinas, Campo Grande, Canoas, Cotia, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, Jacareí, Londrina, Manaus, Natal, Niterói, Palmas, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São José dos Campos, Taubaté, Uberlândia e Vitória.

Os ingressos podem ser adquiridos no site da Rede (www.cinemark.com.br) ou na bilheteria dos cinemas participantes na semana de exibição de cada filme. Os ingressos têm valor fixo de R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia).



28/08/2014 02h01

'The Light Between Oceans': Filmagens do novo filme de Michael Fassbender começam em setembro
Ana Carolina Garcia

A DreamWorks anunciou que as filmagens de "The Light Between Oceans" terão início em setembro nas regiões de Marlborough e Otago, na Nova Zelândia, e na Tasmânia, Austrália. Baseado no livro homônimo de estreia de M.L. Stedman, o longa conta com roteiro e direção de Derek Cianfrance, de "O Lugar Onde Tudo Termina" (The Place Beyond the Pines - 2012) - o livro foi lançado em 2012, apareceu entre os best-sellers do New York Times e do USA Today e já foi traduzido para mais de 30 idiomas, mas ainda não foi publicado no Brasil.

Protagonizado por Michael Fassbender e Rachel Weisz, é ambientado numa ilha remota da Austrália, nos anos que seguem a Primeira Guerra Mundial, o filme mostra um faroleiro e sua esposa vivendo um dilema moral depois que um barco aporta trazendo um homem morto e um bebê de dois anos. Ao decidirem criar a criança, as consequências são devastadoras.

"Agradecemos o Film New Zealand por toda a assistência nos ajudando a trazer 'The Light Between Oceans' para o país. Foi muito importante encontrar as locações perfeitas para atender à visão do diretor e não poderíamos estar mais animados para filmar na Nova Zelândia e na Austrália", disse Holly Bario, presidente de produção da DreamWorks Studios, em comunicado oficial do estúdio fundado em 1994 por Steven Spielberg, Jeffrey Katzenberg e David Geffen.  

A chefe-executiva do escritório nacional do Film New Zealand, Gisella Carr, afirmou, no mesmo comunicado, que a Nova Zelândia está feliz em receber a DreamWorks sob os novos incentivos para o setor e de ver a produção acontecendo em diversos espaços pela Ilha Sul. "A conquista desta filmagem na Nova Zelândia é o resultado da colaboração entre diversas agências, incluindo o Marlborough District Council, Film Otago Southland e o Film New Zealand trabalhando junto com os produtores", disse Carr.

"The Light Between Oceans" ainda não tem data de lançamento definida.



28/08/2014 01h21

Dwayne Johnson e Brett Ratner falam sobre 'Hércules'
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoA Paramount Pictures divulgou dois vídeos sobre seu próximo lançamento, "Hércules" (Hercules - 2014). Neles, o diretor Brett Ratner e o protagonista Dwayne 'The Rock' Johnson falam um pouquinho sobre a produção que estreia nos cinemas brasileiros no dia 04 de setembro.

O longa conta a história do semi-Deus Hércules (Johnson), filho de Zeus com a mortal Alcmena (Karolina Szymczak),  condenado pelo oráculo dos Delfos a realizar missões arriscadas, conhecidas como "Os 12 trabalhos de Hércules". Depois de cumprir as 12 tarefas, ele se junta a um grupo composto por criminosos na intenção de conseguir um trabalho remunerado. Mas sua fama se espalha rapidamente, despertando o interesse do Rei de Trácia, Cótis (John Hurt), que decide convidá-lo para treinar um grande exército.

"Eu queria criar uma ótima história com personagens incríveis, pelos quais você se apaixonasse e se importasse. E para essa geração de jovens, não havia um filme definitivo sobre Hércules. O desafio era quem seria esse homem. E eu não sabia até o dia em que Dwayne Johnson entrou na minha casa, se sentou no sofá, me olhou nos olhos e disse: 'nasci para interpretar Hércules'", disse Ratner sobre a dificuldade em encontrar um ator para dar vida a um dos principais personagens da Mitologia Grega.

Mais conhecido por seus trabalhos em filmes de ação, Johnson completou a declaração do diretor: "Quando encontramos Hércules nesse filme, vemos um Hércules bem diferente do que todo mundo está acostumado. Uma das coisas mais incríveis sobre ele é que o poder da mitologia torna-se mais do que apenas força. Torna-se uma história de fé e de aceitação da sua fé", afirmou o ator.

No outro vídeo, a dupla fala sobre as características dos personagens e do cuidado ao treinar o elenco com os mais variados tipos de armas. "Cada um tem suas próprias habilidades: as armas que usam, a aparência, a origem e a história. Tivemos centenas de especialistas em todos os tipos de armas para treinar nosso elenco durante várias semanas e que deram a todos eles as suas próprias habilidades individuais de luta", comenta Ratner. "A ideia era termos um estilo de luta que tivesse poder, porque ele ainda era Hércules. Quando você é atacado por Hércules isso pode ir um pouco mais além. Mais danos são causados. Seu estilo de luta é brutal", completou Johnson.

Assista ao vídeo de The Rock contando como se transformou em Hércules:

Assista ao vídeo sobre as armas e personagens:



26/08/2014 01h48

'Os Mercenários 3' pode salvar a carreira de Mel Gibson?
Ana Carolina Garcia

Foto: DivulgaçãoHollywood é uma indústria cruel capaz de levar qualquer profissional do céu ao inferno rapidamente, ainda mais com o crescimento vertiginoso do jornalismo de celebridades ou, melhor dizendo, da indústria de fofocas, que domina diversos meios de comunicação e investiga minimamente a vida privada de astros e estrelas do showbusiness, expondo-os de forma desnecessária e algumas vezes caluniosa.

Contudo, há casos em que nada pode ser dito a favor de determinado profissional, como os recentes escândalos envolvendo Mel Gibson. Vamos deixar de lado a gravação telefônica de sua ex-namorada, Oksana Grigorieva, com quem ele tem uma filha, e todo o escândalo que sucedeu sua divulgação na mídia, para nos ater a um problema antigo que o assombra praticamente desde o anúncio da produção de "A Paixão de Cristo" (The Passion of the Christ - 2004): a acusação de anti-semitismo.

Gibson é um católico fervoroso cujo pai seguia uma vertente tradicional da Igreja Católica, opondo-se ao Concílio Vaticano II, que acabou por modernizar a Igreja, de certa maneira. E foi o seu fervor religioso que o levou a contar a história de Cristo em uma das maiores polêmicas hollywoodianas dos últimos anos. E isso afetou sua carreira de forma muito negativa, apesar do resultado do longa-metragem ter sido surpreendente.

Melhor diretor do que ator, Mel Gibson apostou tudo o que podia em seu filme mais audacioso, inclusive bancando a produção de seu próprio bolso. O cineasta afirmou diversas vezes que se baseou no Evangelho para contar as últimas horas de Jesus, de forma brutal, como nunca tinha sido mostrada no cinema.

A produção, que completa 10 anos em 2014, foi ignorada por grande parte da indústria e isso se refletiu também em premiações como o Oscar, pois o longa recebeu somente três indicações nas categorias de maquiagem, fotografia e trilha sonora original (perdendo em todas), quando merecia ao menos uma indicação de melhor direção.

Na minha opinião, "A Paixão de Cristo" foi concebido para chocar a plateia, sem nenhuma dúvida; porém, não o considero anti-semita. Mas esta, repito, é somente a minha opinião. Cada um o interpreta de maneiras diferentes, daí toda a polêmica que o envolve.

Entretanto, o foco deste post não é o filme em si, mas seu impacto na carreira de um homem que tinha Hollywood a seus pés, um dos nomes mais rentáveis do cinema mundial, galã adorado por todos, ator de filmes de ação memoráveis como os das franquias "Mad Max" (Idem) e "Máquina Mortífera" (Lethal Weapon), vencedor do Oscar de direção pelo épico "Coração Valente" (Braveheart - 1995), uma verdadeira "máquina de fazer dinheiro"... Nada disso conta diante de fatos tão graves e veiculados incessantemente pela mídia internacional.

Nos últimos anos, Mel Gibson atuou em poucos filmes devido à repercussão de seus problemas pessoais, inclusive ao alcoolismo, problema que o assola há tempos. E um desses longas estreou no Brasil na semana passada, "Os Mercenários 3" (The Expendables 3 - 2014).

Foto: Divulgação

A franquia protagonizada por Sylvester Stallone e Jason Statham, cujo primeiro longa foi lançado em 2010, é uma reunião de astros do cinema de ação de outrora, e a cada novo filme ganha reforços em seu elenco. Se estivéssemos nos anos de 1980, diríamos que a série tem o elenco dos sonhos de qualquer filme de ação.

"Os Mercenários" ainda não ressuscitou nenhuma carreira, mas em seu último longa reuniu um time imenso que incluiu Wesley Snipes (primeiro trabalho após sua prisão) e Gibson, no papel do vilão mais poderoso de toda a franquia.

Foto: DivulgaçãoNão é novidade para ninguém que uma das especialidades de Mel Gibson é filme de ação. Afinal, Martin Riggs é um dos personagens mais queridos do gênero. E, obviamente, o ator não decepcionou em "Os Mercenários 3". Mais do que isso, é um dos principais destaques do longa. Aliás, sua atuação e a de Antonio Banderas são as melhores coisas da produção, ofuscando todo o elenco. Sem nenhum exagero!

Em sua história, a comunidade hollywoodiana acobertou (e ainda acoberta) diversos escândalos; ignorou fatos do passado de alguns de seus profissionais, agraciando-os com seu prêmio máximo, como o Oscar honorário concedido a Elia Kazan, cineasta de prestígio, mas fortemente criticado por suas ações no período do macarthismo; e, acima de tudo, Hollywood continua lucrando bastante com polêmicas, pois elas geram interesse do público e podem até ajudar na divulgação de determinado filme ou programa de televisão.

A questão aqui é: o sucesso da franquia "Os Mercenários" será capaz de fazer com que Hollywood "perdoe" Mel Gibson por suas polêmicas pessoais, dando-lhe uma chance de redenção, salvando sua carreira e o levando de volta ao time de ouro da indústria?

Leia também:

- Crítica: 'Os Mercenários 3' assume tom mais sério se comparado aos anteriores